Jornal do Brasil

Tom Leão

Tom Leão

O 'comeback' de Renée Zellwegger

Jornal do Brasil TOM LEÃO, nacovadoleao.blogspot.com.br

Os americanos adoram um ‘comeback’, uma volta por cima. A volta de algum ídolo ou celebridade que foi grande, sumiu e, depois, retorna com um grande triunfo. Sejam artistas de cinema e TV, astros da música ou dos esportes. O comeback é sempre bem-vindo.

Macaque in the trees
Renée Zellwegger (Foto: Divulgação)

E um dos grandes comebacks do momento está acontecendo com a atriz Renée Zellweger, que, após ter sido revelada naquele filme com Tom Cruise, ‘Jerry McGuire, a grande virada’ (‘Jerry McGuire’, 1996), apesar de já ter alguns trabalhos no currículo, saiu da categoria de coadjuvante e começou a estrelar filmes, maiores, tendo o seu nome em destaque. O auge dessa fase foi a adaptação do livro inglês de sucesso, ‘O diário de Bridget Jones’ (2001), que fez boa bilheteria, teve sequência e fez dela uma queridinha em nível internacional.

Depois, ela foi saindo de cena, e ficou meio estranha após umas plásticas, quando chegou na fase em que a beleza da mocidade acaba e os bons papeis começam a rarear por isso.

Contudo, embora nunca tenha deixado de filmar, houve um breve hiato na carreira, entre 2010-16. De volta, fez filmes pouco relevantes. Até que apareceu a chance de fazer um papel no qual pudesse mostrar todo o seu talento, já como uma mulher/atriz madura. Este filme se chama ‘Judy, muito além do arco-íris’ (aqui, dia 30 de janeiro), pelo qual ela está indicada, novamente, ao Oscar de melhor atriz, sendo a sua quarta indicação (ganhou um, de coadjuvante, por ‘Cold Mountain’, em 2003; e concorreu por ‘Chicago’ e ‘Bridgette Jones’).

‘Judy’ faz um recorte na fase final da vida e carreira de Judy Garland (a Dorothy de ‘O mágico de Oz’ e mãe de Liza Minelli), quando esta foi convidada para fazer apresentações num teatro em Londres (como cantora), no final dos anos 1960, já que não conseguia mais nada nos EUA, nem sequer pagar um aluguel!

O melancólico papel é feito com muita garra por Renée, a ponto de nos fazer esquecer que é uma atriz interpretando Garland. Ela, inclusive, fez todas as suas partes vocais. Se o prêmio vier, será muito merecido para a texana do sorriso cativante. Welcome back, Renée!

RUGIDOS:

*Com seis episódios, a série original Canal Brasil, “Milton e Clube da Esquina”, estreia no dia 31/01, às 22h30. Após a exibição na televisão, todos os episódios estarão disponíveis no Canal Brasil Play também para não-assinantes.

*Gravado ao longo de dez anos, o documentário “Uma Garota Chamada Marina”, sobre Marina Lima, estreia no Curta! O filme acompanha a trajetória da artista, suas escolhas e mudanças, bastidores de shows, referências, parcerias, processo criativo e detalhes da sua vida. Confira exibições na grade de programação.

* O Amazon Prime Video apresenta a série Original Amazon 'Tudo ou Nada: Seleção Brasileira' (All or Nothing: Brazil National Team), que estreia mundialmente no serviço de streaming no dia 31 de janeiro. A série, que tem cinco episódios com uma hora de duração cada, acompanha a jornada da seleção brasileira durante a conquista da Copa América 2019, com acesso exclusivo a bastidores em diversos momentos do campeonato.