Jornal do Brasil

Tom Leão

Tom Leão

Duas séries atípicas

Jornal do Brasil

Acho que já comentei aqui, que, geralmente, passo ao largo dos lançamentos mais badalados da Netflix (acabo assistindo alguns depois), porque estes, invariavelmente, decepcionam. Justamente por todo o hype em torno. Muitas vezes, são apenas ok. Não justificam o estardalhaço. Por isso, adoro peneirar os títulos mais obscuros ou menos comentados.

Foi assim que descobri o sensacional “Merlí” (que acabou sendo badalado depois, por suas próprias qualidades) e, mais recentemente, a série “Atypical”. Nesta, fui com cautela. Afinal, ela trata de autismo, um tema espinhoso de se explorar. Já que o autismo não é igual para todos os que estão dentro de seu espectro. É complexo. Não dá para brincar com o tema. Nem, tampouco, só explorar o lado dramático.

“Atypical” trata do assunto de forma leve (a criadora da série, Robia Rashid, se inspirou em seu irmão autista), sem jamais fazer troça do protagonista da série, o esperto e sensível Sam (Keir Gilchrist), um rapaz de 18 anos que adora biologia, sobretudo saber sobre pinguins. Como está numa idade-chave para as mudanças da vida, acompanhamos a sua primeira relação amorosa, a vontade de ser independente, a questão sobre qual carreira/faculdade seguir (ele trabalha numa loja de eletrônicos) e, sobretudo, de sua interação com a família.

E aí é que está a chave do sucesso: não só a sua família é muito bem delineada, como os personagens são bem escritos e interpretados. Os pais são feitos por atores conhecidos (Michael Rapaport e Jennifer Jason Leigh, esta, é também uma das produtoras); e, sua irmã, pela novata e talentosa Brigette Lundy-Paine, que faz um tipo meio Joãozinho, atleta, mas muito meiga e autêntica. Sem eles como apoio, tudo em volta poderia desandar.

Torci para que “Atypical” tivesse uma segunda temporada. Felizmente, teve. E, não fica nada a dever para a primeira. Agora, é torcer para uma terceira. Para, quem sabe, um bom arremate.

E fica a mensagem de que, no fundo, nenhum de nós é “normal”. O conceito é difuso.

Por outro lado, acaba de entrar no catálogo da Netflix mais uma de suas produções, “Maniac”, estrelada por Emma Stone e Jonah Hill. É levemente baseada em série norueguesa de mesmo nome, que também está no catálogo.

A trama envolve dois estranhos (Stone e Hill) que topam fazer parte de teste para um novo produto farmacêutico. Por isso, cada episódio é uma espécie de “viagem” proporcionada pelos efeitos colaterais do produto. O resultado, é uma série de situações surreais e bizarras. Nem sempre sabemos se o que está acontecendo é real ou o resultado de algum tipo de delírio causado pelas drogas. Interessante.

O diretor e roteirista, desta versão americana, é Cary Joji Fukunaga (“True detective”, HBO), que acabou de ser anunciado como o diretor do novo James Bond. Ele já avisou que, “Maniac” terá apenas dez episódios. E fim de papo.

Macaque in the trees
"Atypical" merece uma terceira temporada (Foto: Divulgação)

-----

Rugidos

A série de época “Harlots” teve a sua terceira temporada garantida pelo Hulu. No Brasil, é exibida num dos canais Fox Premium.

Chama-se “ReMastered”, a série documental da Netflix, que vai enfocar a vida de artistas como Bob Marley, Johnny Cash e Sam Cooke, entre outros. Estreia 12 de outubro na plataforma, com um novo episódio liberado mensalmente.

“They´ll love me when I´m dead”, documentário sobre as atribuladas filmagens do último filme de Orson Welles, “The other side of the wind”, será lançado na Netflix, em 2 de novembro. Junto com o inacabado filme do Welles.



Recomendadas para você