Jornal do Brasil

Sociedade Digital

Sociedade Digital

André Miceli

Tendências digitais e dos negócios para 2020

Jornal do Brasil ANDRÉ MICELI, andre.miceli@fgv.br

Início de ano é a época ideal para fazemos resoluções e nos organizamos para alcançar metas. Também aproveito esse momento para pensar nas minhas apostas de tendências digitais, que vão agitar o mundo dos negócios e da tecnologia no ano que começa. Para 2020, a lista é grande e traz elementos diversos, como uma possível guerra dos streamings, IPOs, o trabalho remoto, a integração tecnológica, os donos de pequenos negócios, novas estruturas organizacionais, smart speakers e anúncios, IA e Cyberwar, transparência e rastreabilidade e a biometria.

Para começo de conversa, detalho aqui meu top 3:

Com a chegada dos novos serviços e disputa por conteúdo, especialistas apontam uma possível bolha no mercado de entretenimento graças ao boom dos serviços de streamings. Tudo começou com uma velha conhecida nossa em 2007 - a Netflix - avaliada em US$ 127 bilhões, segundo a NASDAQ. Ao oferecer aos assinantes um vasto catálogo de séries, filmes e documentários com um valor bem menor do que os pacotes de TV a cabo, a empresa revolucionou a indústria de entretenimento.

Depois dela, muitas outras seguiram seus passos e grandes corporações internacionais,como a Amazon, Disney e até mesmo nacionais como a Globo, passaram a investir neste mercado. O que vemos agora é uma grande entrada de novas empresas no ramo, o que pode eventualmente criar uma bolha no mercado que será estourada devido à recusa do usuário a pagar por todos os serviços que podem chegar a R$ 250,00 mensais.

Outra tendência que acredito crescer em 2020é a flexibilização dos trabalhos. Ou seja, eles se tornarão remotos, fluidos e digitais. Neste sentido, as empresas precisarão repensar como o trabalho é feito, por quem e como otimizar os processos.

Este movimento se torna cada vez mais realidade com o crescimento de espaços de coworking e da adoção do home office. Segundo dados da consultoria Hays, o número de regime em home office cresceu de 35% para 51% entre 2017 e 2018. Muitos negócios preferem adotar práticas que estimulem o bem-estar e a autonomia do funcionário, em detrimento de um regime fechado e muitas vezes desgastante como as atuais condições de trabalho. Segundo o estudo da Convenia e Ahgora, cerca de 53,2% das corporações têm uma cultura limitante, o que afeta a produtividade, apontada como um desafio por 40% dos entrevistados.

Neste sentido, é inegável que as empresas já vêm sofrendo impacto, tanto interno quanto externo, das transformações digitais que vão além das mudanças profundas em suas estruturas organizacionais. Elas começam também a adotar métodos de produção e sistemas mais ágeis com equipes menores. De acordo com dados da pesquisa Four Fundamentals of Workplace Automation, da McKinsey, 45% das atuais atividades executadas por funcionários podem ser automatizadas nos Estados Unidos, algo que pode acontecer também aqui no Brasil.

Essas são apenas algumas tendências que podem remodelar processos, formas de consumo e trazer inovação, em um futuro próximo, para diversos setores brasileiros. Vale ficar de olho nelas!

GOVERNO DIGITAL

A digitalização dos serviços do governo brasileiro está ficando cada vez mais digital e está se espalhando pelo país. A ferramenta de login único, ou seja, acessar uma infinidade de sites públicos com o mesmo login e senha,já beneficia 45 milhões de pessoas no país e serve de acesso a mais de 400 serviços digitais do governo federal. A iniciativa torna mais simples e fácil a vida do cidadão.

Não há custo algum para estados e municípios aderirem. As unidades federativas só têm de fazer a integração de seus sistemas à plataforma. A partir daí todo o custo de manutenção, evolução e suporte ao cidadão fica a cargo do governo federal.

É inovação também na esfera pública.