Jornal do Brasil

Sociedade Digital

Sociedade Digital

André Miceli

Desconfiados

Jornal do Brasil ANDRÉ MICELI, andre.miceli@fgv.br

Não há dúvidas de que a tecnologia já faz parte da vida dos brasileiros. Mas como esse relacionamento está evoluindo? É esta a análise proposta pelo Indicador de Confiança Digital: de forma recorrente, entender como muda a nossa percepção sobre ela. Na conta do estudo, entram também fatores sociais, econômicos, políticos e até mesmo ambientais do país.

 

A última edição da pesquisa indica que a população brasileira está menos otimista com o digital e suas possibilidades. Houve uma queda no resultado de 3,2% em um ano - de 3,92 para 3,22 - a pior marca registrada até agora. Contudo, é importante lembrar que o cenário analisado sofreu o impacto de escândalos: em 2018, vimos vazamentos de dados, ataques hacker, fake news e uma grande polaridade política nas redes sociais. Tudo isso afetou a confiança do brasileiro nesse universo.

Vemos que a população entende cada vez mais a dualidade da tecnologia, que traz tanto oportunidades quanto riscos. Os mais impactados são os jovens, que obtiveram o pior ICD do estudo. Nessa faixa etária, também vemos um grande movimento de abandono – parcial ou total - das redes sociais, que é relacionado com sintomas de estresse, ansiedade e depressão.

Esse tema, aliás, foi amplamente debatido em 2018 e também afetou o ICD de forma geral. A análise dessa questão mostrou uma piora de 14%, indicando que hoje mais pessoas entendem que o digital pode impactar a saúde mental dos usuários.

Em contrapartida, pessoas entre 55 e 64 anos alcançaram a marca de 3,57 no ICD, a maior vista nessa edição do estudo. O resultado é influenciado, principalmente, pelo potencial das novas plataformas para aproximar amigos e familiares.

Outros índices de mercado mostraram que, de forma geral, os brasileiros estão insatisfeitos com a situação do país – afetado pela crise econômica e o desemprego. Por meio do ICD, vemos que tudo está conectado e se reflete em nossa relação com a tecnologia. Você também pode contribuir para que o estudo não pare, respondendo ao questionário em: http://www.tec.institute/icd.

GOVERNO CADA VEZ MAIS DIGITAL

Com o lançamento da Carteira de Trabalho digital, o governo brasileiro atingiu a meta anual de transformação digital – e dois meses antes do previsto. Pelo portal gov.br, a população também pode resolver facilmente questões como aposentadoria por tempo de contribuição e o auxílio-maternidade rural.

Essas são apenas algumas das mais de 17 milhões de demandas que serão atendidas de forma mais tecnológica. Nesse semestre, também estão sendo coletados dados para a instituição da carteira de identidade digital.

Além de otimizar o tempo e a mão de obra necessária para cada serviço, a ideia é que esse processo também beneficie os cofres públicos. A Secretaria de Governo Digital estima que, de janeiro até agora, tudo o que foi digitalizado representa uma economia de mais de R$ 1,6 bilhões ao ano.

A cada 2 dias, 3 serviços públicos passam por essa transformação. A meta para 2022 é de 3,3 mil, que poupará mais de 7 bilhões de reais. Não é apenas o governo que vê vantagens nessa transformação: os próprios brasileiros são os verdadeiros beneficiados, que irão economizar tempo e dinheiro para resolver uma série de pendências.