Jornal do Brasil

Saúde & Alimentação

Saúde & Alimentação

Wilson Rondó Júnior

Xampu: bom ou ruim?

Jornal do Brasil WILSON RONDÓ JUNIOR *, drrondo@drrondo.com

A maioria dos xampus comerciais contêm substâncias químicas e detergentes, nocivos aos fios de cabelo e até à própria saúde. O uso frequente tira do seu cabelo os óleos naturais, produzidos pelos fios, e quanto mais você espaçar o tempo de uso, mais o seu couro cabeludo responderá de acordo e aprenderá a produzir menos óleo. Além disso, a lavagem frequente pode estar perturbando o equilíbrio microbiano, eliminando micro-organismos benéficos e protetores.

Por isso, está havendo uma tendência de retorno ao passado. Até cerca de 100 anos atrás, a ideia de banho diário praticamente não existia. No início do século passado foi quando se começou a se preocupar com a higiene pessoal. Criou-se a “necessidade” de produtos novos como “sabão de banheiro” e “enxaguante bucal”, algo inexistente até então. A nossa própria noção de “sabão” mudou. Até meados do século 19, ele só era usado para lavar roupas sujas. Então, alimentada pelo marketing, surgia a “necessidade” de um sabão mais suave para a limpeza do corpo, sendo conhecido como “sabão de banho”, e na sequência, outros produtos. O primeiro xampu surgiu na década de 1930, e hoje é algo rotineiro. Antes disso, se lavava os cabelos apenas uma vez a cada duas a seis semanas.

A tendência atual, “no-poo” (abreviação para “não xampu”) é não usar o produto, ou espaçar o seu uso. Para isso, simplesmente enxágue uma vez a cada cinco dias em vez de diariamente ou em dias alternados. Além disso, os adeptos dessa tendência têm procurado abandonar os xampus comerciais, pelo excesso de substâncias químicas detergentes e tóxicas, em favor de soluções mais naturais e não agressivas.

Xampus e exposição a químicos

Com o uso de xampus comerciais comuns, você pode estar levando ao seu couro cabeludo produtos químicos em cada lavagem. Eles atuam como disruptores endócrinos, substâncias químicas conhecidas por interferir no desenvolvimento e na reprodução, causando sérios efeitos neurológicos e imunológicos. Então, se ainda quiser usar estes produtos, cheque ao comprar:

Laurilsulfato de sódio: presente em quase todos os xampus, é um surfactante, detergente e emulsificante usado em milhares de produtos cosméticos e produtos industriais de limpeza.

Fitalatos: muitas vezes presentes no produto, mas constando no rótulo apenas pelo termo “fragrância”. Estão ligados a defeitos congênitos no sistema reprodutivo de meninos e menor motilidade espermática em homens adultos, entre outros problemas.

Metilisotiazolinona (MIT): um produto químico utilizado no xampu para evitar proliferação bacteriana, podendo gerar efeitos desfavoráveis no sistema nervoso.

Parabens: produtos químicos encontrados em xampus, desodorantes e outros cosméticos, que mimetizam o estrógeno, podendo estimular câncer de mama ou de próstata.

Não está pronto para desistir do seu xampu completamente? Se você não está seguro para acompanhar essa tendência, faça uma tentativa e vá espaçando o uso aos poucos. Procure uma opção natural com extratos botânicos, como camomila para brilho e força adicional (para ajudar a evitar as pontas e as quebras).

Lembre-se sempre que os produtos industrializados invariavelmente têm produtos químicos que, pouco a pouco, se tornam nocivos para sua saúde. Portanto, quanto mais natural, melhor. Uma dica valiosa se você deseja alcançar uma Supersaúde!

-

Referências bibliográficas: Medicine Net. December 29, 2015 / Gizmodo. February 12, 2015 / Alive. August 1, 2015 / Journal Cosmetic Science 2003 Mar-Apr;54(2):175-92.