Jornal do Brasil

Entre realidade e ficção

Entre realidade e ficção

Álvaro Caldas

A arma da censura na guerra com a cultura

Jornal do Brasil ÁLVARO CALDAS *, ducaldas@terra.com.br

Juntos, Bolsonaro, Witzel e Crivella, presidente, governador e prefeito do Rio formam um trio desqualificado de governantes que decidiu usar arbitrariamente seus poderes, violando muitas vezes as leis, para destruir as instituições culturais no país. Sem nenhuma cerimônia e pudor, abriram guerra às manifestações artísticas e recolocaram em cena aberta a censura camuflada, atingindo filmes, peças teatrais, exposições, séries de TV, publicidade e órgãos de imprensa, ameaçados diariamente por um presidente da República que considera a arte uma forma de degeneração.

Para atingir seu objetivo, o governo altera a estrutura ministerial, troca de lugar órgãos e conselhos, loteia os principais cargos de gestão na área cultural entre militantes bolsonaristas, deputados da bancada evangélica e seguidores de Olavo de Carvalho. Monta uma equipe que faz limpeza ideológica e cria um forte aparato de controle para barrar obras que expõem a diversidade cultural, política, religiosa ou sexual. É a lei do partido e da ideia única, sem nenhum respeito à liberdade de manifestação prevista na Constituição.

A polícia ainda não está nas ruas prendendo os autores e invadindo teatros como aconteceu na estreia do musical “Roda Viva,” em São Paulo, durante a ditadura, nem recolhendo livros e jornais nas bancas e livrarias. Mas é sempre assim que começa. Se o medo vencer e não houver reação da sociedade, a escalada prosseguirá. Montada pelo mesmo Grupo Oficina de Zé Celso Martinêz Corrêa, a peça de Chico Buarque, que o chefe da Censura na época definiu como um “amontoado de palavrões, cenas imorais e frases de incitamento contra o regime”, correrá riscos em sua volta ao Rio na cidade das Artes.

O clima é de confronto e de defesa da liberdade artística e de expressão. Em audiência esta semana com a ministra Cármen Lúcia, do STF, artistas pediram o apoio do Supremo para fazer cumprir a Constituição que veda qualquer forma de censura. Procuraram a ministra para protestar contra decreto presidencial que muda a estrutura do Conselho Superior de Cinema e o transfere para a Casa Civil de Bolsonaro, ao alcance das mãos do censor. O ator Caio Blat, um dos participantes da audiência, afirmou que “a censura está de volta ao país, de forma disfarçada e imunda”.

Na mesma linha discursaram Caetano Veloso, Dira Paes e Gregório Duvivier, de-nunciando que peças teatrais estão sendo canceladas diariamente na surdina. A administração Bolsonaro exerce o fomento da cultura por meio das estatais, que manobram e cancelam os editais sem qualquer discussão prévia. Cármen Lúcia comprometeu-se a apoiar as reivindicações. Afirmou que a censura deve ser combatida, porque a democracia não a tolera. Assim esperam os artistas e os brasileiros.

Na linha da intimidação, Bolsonaro acaba de dar uma nova demonstração de que está disposto a manter o clima de animosidade e terror. Nomeou o diretor de teatro olavista Roberto Alvim para a secretaria Especial de Cultura. Alvim, inexpressivo como autor e produtor, é o mesmo que ofendeu a atriz Fernanda Montenegro na comemoração de seus 90 anos. Chamou-a de “sórdida e mentirosa” e convocou profissionais conserva-dores para criar uma máquina de guerra cultural contra os artistas subversivos. Com a agressão ganhou elogios do presidente e a disputa para ocupar a secretaria, onde poderá montar sua máquina de mentiras e perversões.

Este é mundo da cultura na visão fascitoide de Bolsonaro e seu grupo. Um jornal como a “Folha de S. Paulo” teve sua assinatura e compras por órgãos do governo canceladas. Seus anunciantes também sofreram ameaças. A TV Globo, logo ela, sempre fiel, foi acusada de “patifaria” por divulgar a cumplicidade do presidente no estranho condomínio da Barra da Tijuca com os milicianos acusados de assassinar a vereadora Mari-elle Franco. Efeito do ódio reinante, a Globo tornou-se paradoxalmente rejeitada pelos fieis adeptos da seita como uma emissora comunista.

Logo no início do seu governo, o ministério da Cultura foi extinto e criada uma secretaria empurrada para o ministério da Cidadania. Agora, Bolsonaro transferiu por de-creto a Secretaria Especial de Cultura para o ministério do Turismo, entregando o perigoso setor cultural ao ministro Marcelo Álvaro Antônio, aquele mesmo denunciado por comandar o esquema de laranjas no PSL de Minas.

Na Ancine, a novela é ainda pior. Seu presidente Christian de Castro foi afastado depois de denúncia do MPF por crimes de falsidade ideológica e estelionato. Até hoje a Agência não assinou a Cota de Tela, que garante espaço para produções brasileiras nas salas de exibição do país. Está cotada para substituí-lo a diretora da produtora Anjo Luz Filmes, Zilah Oliveira, especialista e obras evangélicas. É o caminho do obscurantismo e das trevas, no rumo seguido pelo ministro da Propaganda Joseph Goebbels para comba-ter a arte degenerada no III Reich.

*Jornalista e escritor