Todas as crises se encontram no Rio

Eleito para combater a corrupção e a velha política, para proteger os seus e os amigos, abandonou as promessas de campanha

Talvez só os 33% resilientes apoiadores de Jair Messias Bolsonaro, eleito presidente da República com 39,3% dos votos do contingente eleitoral e com 57,8 milhões (55,13% dos votos válidos) continuem achando que o presidente da República vem fazendo um trabalho entre bom e ótimo e o isentam de agravar os impactos da pandemia do Covid-19 sobre a economia.

Em vez de liderar um movimento de coordenação das esferas de governo (União, estados e municípios) para reduzir ao mínimo o contágio e a duração do resguardo, como fizeram os principais chefes de governo responsáveis em todo o mundo (independente do matiz político-ideológico), Bolsonaro, com seus movimentos de desrespeito ao isolamento em Brasília e nas principais cidades do país, acabou minando junto a muitos brasileiros a importância do isolamento, o que potencializou a transmissão do novo coronavírus.

Se não bastasse tudo isso (o resultado de trafegar na contramão do bom senso virá quando o IBGE apontar o violento tombo da economia no 2º trimestre - Bradesco e Itaú esperam queda na casa de 10% ou mais e há quem preveja quadro ainda mais recessivo, com mais desemprego e falências), culminou por jogar gasolina na fogueira, adicionando um 3º elemento: a crise política.

O presidente agravou a instabilidade política que já existia desde a largada, por falta de uma base parlamentar sólida, e como sempre faz, atravessou, não a rua para pisar numa casca de banana, mas a Praça dos Três Poderes para criar crise política desnecessária. Crise que assusta o contingente que votou nele por falta de alternativas para impedir a volta do PT ao poder.

Eleito para combater a corrupção e a velha política, para proteger os seus e os amigos, abandonou as promessas de campanha, se desfez do lastro de seriedade que o ex-juiz da Lava-Jato, Sérgio Moro, emprestava ao governo, à frente do Ministério da Justiça e da Segurança Pública. Vocifera contra o STF (a lei) e o Congresso (a política), mas acabou caindo nos braços do “centrão”, que está mais para a polícia do que para a política (a velha política) diante da extensão de seu prontuário, para reforçar suas defesas no Congresso, na base do “toma lá, dá cá” que tanto criticava, empolgando seus eleitores.

Sem pudor, passou a desrespeitar as mais comezinhas regras de separação entre funções de Estado, de Governo e assuntos familiares. As novas posturas da Polícia Federal, da Abin, da Advocacia Geral da União (AGU), do Procurador Geral da República e do Ministério da Justiça e Segurança Pública, após a saída de Moro do governo, em 24 de abril, falam por si. E podem servir de provas adicionais nos inquéritos das Fake News e da atuação das milícias virtuais. A frase: “Querem calar as mídias que me apoiam” é meia confissão.

“Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”, a sentença de Jesus Cristo, citada em João 8:32 por Bolsonaro desde a campanha, pode ter um novo axioma se os inquéritos que investigam a conexão entre as Fake News e o “gabinete do ódio” chegarem ao fim, mesmo com o governo tentando protelar as investigações e os depoimentos por mais 30 dias. “Conhecereis as mentiras e as mentiras os condenarão” - Supremo Tribunal Federal.

Rio de Janeiro, epicentro da crise

Escrevo este artigo sábado à tarde, com os dados oficiais do Ministério da Saúde de sexta-feira, 29 de maio. O Brasil tinha registrado 465.156 casos de pessoas contaminadas pelo Covid-19. Deste total, 189.476 (40,7%) haviam se recuperado, 247.812 (53,2%) estavam em tratamento e 27.878 (6%) faleceram. O Brasil era o 2º país em contaminações (testadas) e o 5º em mortes, perdendo para os Estados Unidos (102.813 casos), Reino Unido (38.161), Itália (33.225) e França (28.662).

Entretanto, como, à exceção dos EUA, com 329 milhões de habitantes, todos têm população bem menor que a brasileira e os casos de contaminação estão em queda, assim como as mortes, salvo na Índia (com quase 5 mil mortes para uma população de 1,380 bilhão de pessoas e com ameaça de repique que levou o governo a voltar atrás do isolamento severo adotado ainda em março), caminhamos para uma triste estatística: o 2º lugar em contaminações e mortes. Porque, como Trump dizia, “America First”.

Mas os números têm de ser sempre relativizados. Nossa população é equivalente a 64% da americana. Se atingirmos mais de 70 mil mortes, teremos índice pior que o dos EUA. Na Europa, com exceção do pequeno principado de San Marino, o maior índice de mortes por mil habitantes é da Bélgica, que tem uma população de 11,5 milhões de habitantes e registrou 9.415 mortes até ontem. Sua população é semelhante à da capital paulista (11,2 milhões de habitantes), que registrou até 29 de maio 4.116 óbitos. Confinada a uma área bem menor do que a Bélgica, pode-se dizer que a maior cidade da América do Sul até está enfrentando bem a pandemia.

E o que dizer do Estado do Rio de Janeiro e de sua capital? Vamos usar novamente os números relativos. Com uma população de 46,251 milhões de habitantes, segundo as projeções do IBGE, o Estado de São Paulo tem 21,86% da população brasileira e quase a população da Espanha (27.125 mortes até sexta). E registrava 101.556 contaminações (a mesma participação de 21,83%). O número de mortes 7.275 (tinha participação mais, de 26%) no total. Talvez, em decorrência de ser o estado com maior nível de renda (servido por três aeroportos) pelos quais as viagens internacionais de sua população trouxeram antes e espalharam silenciosamente o Covid-19 no país.

O Rio de Janeiro está em muito pior situação sanitária que São Paulo. Com seus 17,353 milhões de habitantes, segundo projeções do IBGE, possuía apenas 8,2% da população brasileira e 37,52% da população paulista. Mas, ao acumular, até dia 29 de maio, 5.079 mortes, o índice do estado chegava a 18,2% do total de óbitos do país. Ou seja, mais que o dobro da sua participação na população total. E a capital do RJ, com 6,320 milhões de habitantes (36,4% da população total), tinha situação bem mais aguda que a do estado. Pelos dados oficiais, o município teve 3.430 óbitos (67,5% do total).

A questão é que se as taxas de contaminação e mortes estão diminuindo nas classes A e B, que se infectaram primeiro em viagens e interações com turistas vindos para o Carnaval, a transmissão posterior às classes de menor renda (C, D e E) está causado, agora, o que ex-ministro da Saúde, Henrique Mandetta e equipe tanto temiam: o colapso da rede de atendimento, pela superlotação.

E o governo do estado, comandado pelo ex-juiz Wilson Witzel, e a prefeitura do Rio, dirigida pelo ex-senador e bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus, Marcelo Crivella, sendo Jair Bolsonaro “hors-concours”, fazem uma disputa à parte para ver quem gere pior o enfrentamento da crise.

Mesmo em meio à expansão da pandemia nas comunidades carentes, com consequências imprevisíveis, o prefeito quer reabrir o comércio, sobretudo os shoppings e os cultos nas igrejas evangélicas (a Igreja Católica já avisou que manterão isolamento, em respeito aos vivos). Nos templos, onde o mais importante são as contribuições nas sacolinhas, as almas contam menos. Em boa hora a Justiça barrou a pretensão.

Se as condições subjacentes da propagação do vírus continuam em ebulição, por que reabrir os shoppings? Pergunte a um amigo que tenha loja ou quiosque e terá a resposta: é imensa a pressão dos donos de shoppings (muitos sob controle estrangeiro) para que a reabertura faça tilintar novamente dinheiro da participação nas vendas, mesmo que as condições impostas pelo isolamento responsável impeçam que a equação entre faturamento X custos feche no azul. Para os gestores dos shoppings, a reabertura cria obrigação do pagamento dos aluguéis e rateios sobre o faturamento. Uma precipitação frente ao cronograma das reaberturas na Europa, Japão e Estados Unidos, onde os casos desabam.

Haverá testagem eficiente à entrada dos shoppings e das lojas de ruas e bares e restaurantes, cuja mão-de-obra, em boa parte, vive em comunidades carentes assoladas pela Covid-19? Vale lembrar que a superpovoada Rocinha, cujas habitações pouco ventiladas são moradia de muitos trabalhadores de bares e restaurantes, é um tradicional foco de tuberculose no município.

No governo do Estado, o ex-juiz - nascido em Jundiaí (SP), como a mulher - não espanta pela incompetência no trato administrativo. Na campanha eleitoral, em visita ao JB, antes do 2º turno, disse que iria “privatizar as estradas vicinais do Estado do Rio (até agora nenhum edital foi a campo) e retomar as obras da duplicação da Estrada Rio-Juiz de Fora na serra de Petrópolis”. Quando observei que a estrada era federal e estava privatizada, em regime de concessão, a sua mulher, Helena, quis encerrar a entrevista alegando que tinha de ir a uma missa no Grajaú (Witzel cortejara o eleitorado evangélico, responsável junto com a milícia aliada ao candidato ao Senado Flávio Bolsonaro, por seus 59,87% de votos válidos, mas a igreja era católica...).

Agora, o governo do estado mostrou total incompetência na gestão da crise da pandemia. Atingido em cheio dois alicerces de sua economia (o petróleo e o turismo, que impacta mais fortemente a capital), o governador teve de trocar todo o comando da Secretaria de Saúde, onde o superfaturamento correu solto sem a entrega de hospitais de campanha e equipamentos (na prefeitura a situação se repetiu em menor escala) e perdeu esta semana os secretários da Casa Civil, da Fazenda e da Polícia Civil. No jogo do poder, ganhou mais influência o secretário de Desenvolvimento Econômico, alvo de acusações. Os inquéritos em andamento devem separar o dolo da incompetência, se possível.

Quem quiser conferir a relação das contaminações de sua cidade ou estado frente à população vale acessar o portal do IBGE/cidades, que traz um painel do covid-19. O pior desempenho em relação a mortes por 100 mil habitantes é de Belém do Pará (86,8). Fortaleza (CE) tem a 2ª pior: 70,3%. Manaus (AM) tem 61,8%. O Rio de Janeiro é de 51,1%, contra 33% de São Paulo.