Jornal do Brasil

Cidades Inteligentes

Cidades Inteligentes

Ricardo Salles

Urbanismo responsável para uma cidade inteligente

Jornal do Brasil RICARDO SALLES, ricardosalles@asmprojetos.com.br

Uma cidade para ser inteligente precisa de muito mais do que sensores, precisa de técnicos que saibam planejar.

O conceito de cidades inteligentes vai muito além da tecnologia. A tecnologia é simplesmente um meio para auxiliar a gestão.

O urbanismo é uma das verticais mais importantes. Vamos fazer um exercício. A mobilidade tem relação direta com a disposição da área destinada a moradia e onde os postos de trabalho estão. O dimensionamento das vias (número de faixas de veículos), nível de iluminação, tipos de cruzamentos de veículos (rotatórias, semáforos, pare e siga etc.), cruzamentos de pedestres, dentre outros, resulta em maior fluidez e menor risco de acidentes.

É evidente que sensores e câmeras vão auxiliar na gestão e operação desta mobilidade, mas se ela não tiver sido bem planejada e executada, a tecnologia será um paliativo, ela não vai corrigir os erros.

Vamos a um exemplo. Foi construído no Rio de Janeiro um condomínio no Camorim, bairro situado entre a Barra da Tijuca, Recreio dos Bandeirantes, Vargem Pequena e Jacarepaguá. Este condomínio residencial foi construído para atender a demanda dos atletas durante os Jogos Olímpicos de 2016. Conta com 3604 unidades que variam de 77m2 a mais de 320m2. Quando totalmente habitados, circularão mais de 15.000 pessoas por dia, dentre moradores, visitantes, prestadores de serviço e colaboradores. É um condomínio de classe média (classe trabalhadora) que tem que ir e vir ao trabalho todos os dias, vão à escola, aos shoppings, aos supermercados, ou seja, vivem. Porém estas necessidades não foram consideradas durante o projeto e se foram, não com o tamanho que deveria. Falta uma área destinada a comércio (papelaria, lavanderia, padaria etc.), um supermercado, bares e restaurantes, escritórios etc. Basta ler matérias nos meios de comunicação que vamos ver que nem a construtora obteve o resultado que esperava.

Quando cidades são pensadas deve ser levado em consideração a mobilidade. Onde estão localizadas as áreas destinadas a escritórios? Onde estão as escolas? Onde estão os Shoppings? Quais as opções de transporte disponíveis? Se tudo é distante e não há transporte público adequado, as pessoas terão que se deslocar em veículos particulares. Daí vamos pensar em mitigar isto com veículos elétricos para poluir menos (será que polui menos? Já falamos sobre isso.), em semáforos inteligentes? Não, não é assim que se constrói uma cidade com inteligência.

Toda prefeitura tem uma secretaria que pensa em urbanismo, ali são criadas as regras para que a longo prazo uma cidade não se transforme em um caos. Todo cidadão deveria conhecer este planejamento e saber quem está liderando o tema na prefeitura, se tem capacidade técnica para tal. A seguir o link para o Plano Diretor do Município de São Paulo e do Rio de Janeiro. Vale a pena consultar.

Só interagindo com sua cidade você poderá melhorar sua qualidade de vida. O Plano Diretor de um município, quando de sua elaboração, conta com a participação da sociedade civil, ou seja, os cidadãos que vivem e circulam. São eles que trarão aos técnicos do município suas necessidades e aspirações. Estes técnicos, adequando as necessidades da cidade, devem ser respeitados para que interesses divergentes não sejam politicamente suplantados.

Gosta do assunto e quer sugerir algum tema? Envie um e-mail para ricardosalles@asmprojetos.com.br