Jornal do Brasil

Ciência e Tecnologia

Cientistas evidenciam evolução perigosa de bactéria para hospitais

Clostridium difficile tem alta taxa de proliferação em ambiente hospitalar

Jornal do Brasil

Cientistas revelaram que uma bactéria, causadora de doença intestinal infecciosa, está evoluindo para duas espécies separadas, tendo um grupo altamente adaptável para se proliferar em hospitais.

A revista Science Daily indica que a Clostridium difficile está em processo evolutivo. Pesquisadores identificaram mudanças genéticas em espécies recém-emergentes que permitem que elas se proliferem em dieta rica em açúcar, invadam desinfetantes hospitalares comuns e se espalhem facilmente.

Macaque in the trees
Laboratório (Foto: Sputnik / Ramil Sitdikov)

Para entender como a bactéria está evoluindo, pesquisadores coletaram e cultivaram 906 variedades de Clostridium difficile isoladas de humanos, de animais, tais como, cachorros, porcos e cavalos, e do meio ambiente.

Com a análise do DNA de cada variedade e a comparação de todos os genomas, pesquisadores descobriram que a Clostridium difficile está se separando em duas espécies.

Mudanças nos genes

Vale destacar que a espécie recém-descoberta, Clostridium difficile ramo A, foi encontrada em aproximadamente 70% das amostras de pacientes. Ela apresenta mudanças nos genes que metabolizam açúcar, sendo, assim, mais fácil de ser encontrada em pessoas com dieta rica em açúcar, e nos genes envolvidos na formação de esporos, o que a deixa muito mais resistente a desinfetantes hospitalares.

A bactéria Clostridium difficile pode infectar nosso intestino e é líder na causa de diarreia associada a antibióticos. Quando estamos saudáveis e sem tomar antibióticos, milhões de bactérias "boas" no nosso intestino conseguem controlar a Clostridium difficile.

Assim que começamos a tomar antibióticos, as bactérias "boas" são expulsas do intestino, deixando as portas abertas para infecção da Clostridium difficile.