Jornal do Brasil

Ciência e Tecnologia

Crise do clima vai acirrar disputa por terra, diz IPCC

FolhaPress RAFAEL GARCIA

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - À medida que o planeta se aquece, a disputa de terras para produção de alimentos, biocombustíveis e áreas florestadas vai se acirrar, afirma o novo relatório do IPCC, o painel do clima da ONU. O documento, que enfoca a relação entre clima e uso do solo, aponta algum espaço para que políticas ajudem a combater o aquecimento global -e vê muito espaço para que elas atrapalhem em vez de ajudar, sobretudo por causa do desmatamento.

O dossiê foi divulgado na manhã desta quinta (8) ao fim de encontro de cientistas que ocorreu em Genebra, na Suíça.

O relatório como um todo mapeia o status atual do uso do solo no mundo -responsável por 23% das emissões de gases de efeito estufa- e analisa questões relevantes para mitigação e da crise do clima e adaptação da economia ao novo ambiente.

"A estabilidade do suprimento de alimentos tem projeção de queda, à medida que mais eventos climáticos extremos perturbam a cadeia de produção", afirma o relatório, que consiste em uma revisão da literatura científica global já disponível. "O aumento dos níveis atmosféricos de CO2 também pode reduzir a qualidade nutricional dos cultivares."

O relatório destaca algumas projeções sobre perda de produtividade agropecuária no meio do século. Uma simulação que acopla um aquecimento mediano ao crescimento populacional previsto, por exemplo, estima um aumento médio de 7,6% nos preços de cereais em 2050 e um "crescente risco de insegurança alimentar e fome".

O IPCC aponta medidas imediatas que podem ser tomadas na preparação para o futuro, destacando o compartilhamento e transferência de tecnologias que possam ajudar a agropecuária a adaptar cultivares a novas condições e lidar com esse cenário.

Apesar de reafirmar que a queima de combustíveis fósseis para produção de energia é a principal culpada pela crise do clima -ela gera 77% dos gases de efeito estufa-, o documento também sugere o que a agropecuária pode fazer para ajudar a mitigá-la. Para isso, destaca técnicas de manejo de pasto e de preparo da terra que retém carbono no solo, por exemplo.

Duas outras soluções que foram extensamente discutidas, porém, foram apresentadas de maneira ambígua, porque podem acirrar a competição fundiária: a produção de biocombustíveis (para substituir energia fóssil) e o plantio de extensas áreas florestais para absorver carbono do ar.

O relatório explorou, por exemplo, a questão de como as monoculturas provedoras de biocombústiveis como o álcool e o biodiesel podem degradar o solo e pressionar ecossistemas de vegetação nativa.

Humberto Barbosa, climatologista da UFAL (Universidade Federal de Alagoas) coordenou o capítulo do relatório que tratou de "degradação da terra", um termo que acabou sendo redefinido para abarcar um problema comum em biomas distintos do planeta. "Essa expressão agora descreve uma redução ou perda a longo prazo da produtividade, da integridade biológica ou do valor econômico da terra para os seres humanos", diz o pesquisador.

O relatório aponta que 1/4 das terras livres de gelo estão sujeitas à degradação induzida por humanos.

Formas de agricultura que façam o solo reter carbono e nutrientes, portanto, precisam ser buscadas como ajuda para mitigar o problema do clima, diz.

Outros cientistas, como Paulo Artaxo, climatologista da USP (Universidade de São Paulo) que foi coautor do capítulo de "clima e mudança de uso do solo" do relatório, não vê muito espaço para novas técnicas da agropecuária ajudarem a salvar o clima.

"Grosso modo, hoje 90% das emissões de CO2 são queima de combustível fóssil; os outros 10% são desmatamento", diz. "Sem reduzir a emissão de combustíveis fósseis, esquece. A gente não vai resolver o problema com os 10% do desmatamento."

Freio no termômetro Quando cientistas do IPCC falam em "resolver o problema", em números arbitrários isso significa que o planeta não deve ultrapassar um aquecimento médio de 2,0°C em relação aos níveis da era pré industrial.

Um cenário mais seguro para prevenir o aquecimento denominado "perigoso" seria manter o aumento abaixo de 1,5°C, mas um relatório especial do próprio IPCC neste ano mostrou que restam poucas opções para esse cenário. Mesmo o limite de 2,0°C requer que a queima de combustíveis fósseis comece a se reduzir agora, e neste ano ela está subindo.

No cenário de uso da terra, porém, além do CO2 se destacam os outros dois gases de efeito estufa: o óxido nitroso (N2O), emitido por fertilizantes, e o metano (CH4), exalado por bois e vacas e por plantações de alagamento, como o arroz oriental.

A tecnologia para reduzir essas emissões está sendo pesquisada, apesar de haver dúvidas quanto sua capacidade de ganhar escala.

David Lapola, ecólogo da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), acredita que manejo da dieta de animais e preparo do solo conhecido como agricultura de baixo carbono terão sua contribuição a dar. "Não será fácil fazer isso, mas comparando com o setor de transporte e energia -que têm infraestrutura comprometida para durar décadas- será mais simples tentar reduzir isso no setores que são nosso calcanhar de aquiles: a agricultura e o desmatamento", afirma Lapola.

O IPCC reconhece que é difícil criar um consenso sobre a relevância dos biocombustíveis, do manejo da agropecuária e do reflorestamento no combate à crise do clima. Combater o desmatamento, porém, é uma medida que compensa o esforço em qualquer das hipóteses de qualquer dos cenários analisados pelos cientistas para o futuro.

Preservar um hectare de floresta é, pela lógica, mais barato do que plantar um hectare, e a conservação tem efeito imediato, enquanto o reflorestamento requer que as árvores cresçam. A crise do clima vai causar perda de produtividade para a agropecuária, diz o IPCC, mas a reação do agronegócio a essa perda não pode ser a expansão da fronteira agrícola sobre vegetação nativa, que só contribuiria para agravar a produtividade no longo prazo.

Cortando na carne No fogo cruzado do debate sobre agropecuária e desmate, a produção de carne do Brasil é um alvo óbvio para o IPCC, ainda que seu relatório sobre uso da terra evite ao máximo mencionar nomes de países. O problema é que a maior parte das árvores que caem na Amazônia são derrubadas para dar lugar aos bois, que por sua vez ainda arrotam metano.

"Uma das questões que a gente mais discutiu -demoramos três meses para tomar uma decisão- foi se o documento deveria ou não conter uma recomendação para a população comer menos carne", conta Artaxo.

A sugestão acabou sendo derrubada, e o relatório incluiu uma sugestão genérica de políticas que "influenciem escolhas de dieta". O corpo interdisciplinar do IPCC se fez valer, ele diz. "Os cientistas sociais disseram que era eticamente inaceitável pedir para a população que nunca teve acesso à carne anteriormente abrir mão da carne para deixar o pessoal dos países desenvolvidos continuar andando com seus carros."

O "sumário para formuladores de política" foi o texto mais debatido, em parte, porque debatido não só por cientistas, mas pela representação que os governos dos países enviaram à OMM.

Baixa interferência Segundo Barbosa, diplomatas sauditas, como sempre, estavam entre os que mais pressionaram por mudanças no linguajar do relatório, sobretudo em questões ligadas à substituição do petróleo por biocombustíveis. "É normal que os países tenham preocupação com os setores econômicos com grande representação em suas economias", disse.

Questionado sobre se os interesses do agronegócio se fizeram valer na representação do Brasil, o pesquisador respondeu: "incrivelmente não". Segundo Barbosa, o país sulamericano que mais de destacou pelos apartes foi a Bolívia, nas questões relacionadas à proteção da biodiversidade.

"O que o Brasil levou à mesa foi que, na questão da competição da bioenergia com a produção de alimentos, havia pontos contraditórios em relação ao nível de incerteza das conclusões", conta. "Os outros países concordaram com o argumento."