Jornal do Brasil

Ciência e Tecnologia

Como foram lá parar? Ossos de crocodilo encontrados no deserto de Israel

Jornal do Brasil

Os arqueólogos ficaram perplexos ao encontrarem ossos de crocodilo no deserto em Israel. A incrível descoberta foi feita por cientistas da Universidade de Haifa na região de Neguev – uma área desértica no sul do país.

Os resultados da descoberta foram publicados no jornal Scientific Reports. A equipe de investigadores, liderada pelo professor Guy Bar-Oz, disse que a descoberta prova que uma civilização antiga, eventualmente desaparecida, teria vivido ali.

Para além dos ossos de crocodilo, também foram encontrados restos de ovelhas, cabras e antílopes africanos. Mas o mistério envolve os restos do réptil, que são um achado único.

Mistério: arqueólogos desenterram ossos de crocodilo no deserto de Israel

Existem várias especulações de como o animal foi parar no deserto, com teorias de que podia ter sido trazido do Nilo e usado em algum tipo de cerimônia ou até mesmo comido.

"Os crocodilos eram venerados no Egito e, na época romana, há referências de terem sido levados para Roma e mantidos em piscinas especiais com plataformas", refere o estudo.

No próprio Egito, em Manfalut, foi encontrada uma armadura romana de pele de crocodilo, sugerindo talvez a adoção de cultos locais de crocodilo por legionários; um texto egípcio contemporâneo de Ateneu menciona o crocodilo assado como "um prato mais delicado", indicando que o seu uso era também culinário, informa Daily Star.

 

A presença de pele de crocodilo nos restos encontrados em Shivta [sítio arqueológico no deserto de Neguev] pode sugerir que a pele do crocodilo era mais usada do que a carne.

O uso da pele de crocodilo poderia ter sido muito amplo e variar desde a utilização como apetrechos em rituais até como meio de destacar o status social.