Jornal do Brasil

Ciência e Tecnologia

Astrônomos mostram vídeo de destruição em órbita de foguete dos EUA lançado há década

Jornal do Brasil

A desintegração de um foguete norte-americano acabou contaminando o espaço com lixo. Uma corrente de escombros foi percebida no fim de março pelo observatório Deimos Sky Survey, situado na Espanha.

A Agência Espacial Europeia (ESA) advertiu sobre o alarmante fenômeno na sexta-feira (12). A agência publicou imagens que representam em movimento múltiplos fragmentos do que havia sido a fase superior do foguete portador Altas V Centaur da NASA.

Depois de posicionar satélite na órbita terrestre no dia 8 de setembro de 2009, a fase superior do foguete se tornou uma peça contaminante designada 2009-047B.

Um vídeo captado pelo Deimos Sky Survey na Espanha mostra um fluxo de objetos de escombros (círculos brilhantes no centro), quando o estágio superior de um foguete se desintegrou em órbita uma década depois do lançamento

A ESA estimou que o resíduo 2009-047B havia fragmentado por uma razão desconhecida entre 23 e 25 de março de 2019. Durante quase dez anos, permaneceu em órbita excêntrica ao redor do nosso planeta, com pedaços girando na mesma trajetória.

Graças ao observatório Deimos, astrônomos conseguiram calcular que a peça principal dos resíduos norte-americanos está rodeada por outras 40 ou 60 peças menores. Algumas delas têm mais de 30 centímetros.

Eventos de fragmentação como esse, sejam rupturas ou colisões, são uma fonte principal de escombros no espaço de milímetros a dezenas de centímetros de tamanho, segundo a ESA.

Percorrendo a uma alta velocidade, os detritos ameaçam equipamentos espaciais cruciais, incluindo satélites de serviços meteorológicos e de navegação e a Estação Espacial Internacional (EEI) com tripulantes.