Astrônomos descobrem 'embrião' de planeta no Sistema Solar

No extremo do nosso Sistema Solar, os cientistas descobriram pela primeira vez um "embrião" de um planeta formado há bilhões de anos com um raio de 1,3 quilômetros.

Apesar de os investigadores já terem previsto há 70 anos a existência de tais corpos celestes — que estão em um estágio médio entre as acumulações de poeira e gelo e os planetas — esses "embriões" de planetas nunca antes haviam sido detectados em nosso Sistema Solar.

Macaque in the trees
Universo não entrará em colapso dentro de 140 bilhões de anos (Foto: Reprodução)

O objeto encontrado está no cinturão de Kuiper, que se localiza a uma distância de 30 a 55 unidades astronômicas do Sol, ou seja, mais longe que a órbita de Neptuno. O corpo celeste mais famoso desta região é Plutão. Acredita-se que o cinturão é composto por objetos deixados após a formação dos planetas.

Devido à pouca luz solar, os asteroides e cometas nesta parte do Sistema Solar são conservados ao longo de bilhões de anos, relata o portal Phys.org.

 

Os corpos celestes com o raio de um quilômetro, localizados a essa distância da Terra, são muito escuros, então os astrônomos tiveram que usar um método chamado de "ocultação", que permite encontrar estrelas obstruídas por asteroides que reduzem seu brilho.

A descoberta confirma a hipótese segundo a qual os planetesimais — os "embriões" dos planetas que se formaram no início do Sistema Solar — possuem tamanhos pequenos em um estágio inicial e, em seguida, aumentam rapidamente sua massa.

A pesquisa sobre a descoberta do embrião, feita por cientistas japoneses, foi publicada na revista Nature Astronomy.