Jornal do Brasil

Ciência e Tecnologia

Cadáver de 5.000 anos revela mistério do primeiro caso de peste na Europa

Uma equipe de geneticistas suecos encontrou, em um cadáver de 5.000 anos, uma estirpe de bactéria que desencadeou a peste pela primeira vez na Europa.

Jornal do Brasil

Uma equipe de geneticistas suecos encontrou, em um cadáver de 5.000 anos, uma estirpe de bactéria que desencadeou a peste pela primeira vez na Europa.

A bactéria foi extraída do DNA dos dentes do corpo encontrado no sul da Suécia, pertencente a uma garota de 20 anos. O microrganismo encontrado foi o Yersinia Pestis, que foi responsável pela pandemia de peste no continente europeu na Idade da Pedra, segundo os pesquisadores.

Macaque in the trees
Análise de peste em cadáveres (Foto: AP Photo / Amr Nabil)

De acordo com o portal Live Science, os restos mortais encontrados na quinta-feira (6) possuem as mesmas variações genéticas que tornam a doença mortal nos tempos modernos.

 

No mesmo túmulo, foi encontrado outro cadáver, cujos restos também possuíam a bactéria. Os autores do achado acreditam que estão diante de indícios da primeira grande pandemia da humanidade.

Através de análises genéticas, após estudar o genoma de mais de mil cadáveres, foi determinado que o tipo de bactéria da peste que matou a mulher sueca surgiu há aproximadamente 5,7 mil anos.

Cepa antiga e desconhecida de peste encontrada em túmulo de 5.000 anos na Suécia

Os resultados do estudo revelaram que o vírus se espalhou pela Europa, desde o sudeste da Rússia até à Suécia, em um período muito curto de cerca de 600 anos.

O autor da pesquisa e biólogo argentino da Universidade de Aix-Marseille, Nicolás Rascován, afirmou que na época que ocorreu a pandemia não havia grandes migrações humanas que pudessem justificar a dispersão.

"Exatamente na época em que vimos a praga se propagar, surgiram grandes inovações tecnológicas, como o transporte de rodas e tração animal, meios ideais para espalhar a doença a longas distâncias", explica Rascován.

 

Na época em que a jovem encontrada viveu, ou seja, há 5 mil anos, surgiram as primeiras cidades, onde os humanos e animais viviam juntos em condições precárias de higiene. Nesse tempo, ocorreu um acentuado declínio na população (entre 30% a 60%), semelhante ao que ocorreu na Idade Média com a Peste Negra.

Devido a isso, várias cidades foram queimadas e abandonadas, marcado o fim da Idade da Pedra.