Jornal do Brasil

Ciência e Tecnologia

Cientistas avisam sobre terremoto iminente de magnitude 8,5 ou mais no Himalaia

Jornal do Brasil

Os sismólogos que estudam a cordilheira do Himalaia crêem que um terremoto de grande magnitude, de 8,5 ou mais, com consequências potencialmente "catastróficas", pode vir a sacudir a região montanhosa asiática, diz o estudo realizado por um grupo de investigadores indianos.

O estudo, publicado na revista científica Geological Journal, chega à conclusão de que "uma enorme acumulação de tensão tectónica pressagia pelo menos um terremoto de magnitude 8,5 ou mais […] no Himalaia em qualquer momento futuro", segundo informou P. Rajendran, um de cientistas que participaram da investigação.

"Levando em conta este risco sísmico potencialmente alto, isso será particularmente catastrófico para uma região marcada por uma população em crescimento constante […] o que se contrastará com uma preparação deficiente para enfrentar essa contingência", assinalou Rajendran.

De acordo com o estudo, o impulso frontal do Himalaia — uma zona de vários quilômetros que abrange a maior parte das linhas frágeis da falha de onde se produzem muitas avalanches e mudanças sísmicas — permaneceu imóvel durante os últimos 600 ou 700 anos, o que é um período demasiado grande, se levarmos em conta seus parâmetros geológicos.

Os investigadores indianos examinaram detalhadamente as bases de dados existentes e levaram a cabo uma investigação baseada em estudos geológicos locais, imagens de satélite do Google Earth e da Agência Espacial da Índia, para determinar o tempo do último grande terremoto e evidências atuais de possível repetição de um evento com características similares.

Outros membros da comunidade científica, tais como Roger Bilham, geofísico da Universidade do Colorado, EUA, estão de acordo com essa hipótese e reconhecem que é real o risco de um terremoto de tal potência na região. "É inegável que há razão de concluir que, se ocorrer um terremoto agora, a sua magnitude poderia ser de 8,5", disse Bilham à mídia local.