Jornal do Brasil

Ciência e Tecnologia

Nova missão da Nasa pretende provar que Marte era habitável

Jornal do Brasil

Para provar sua teoria, os especialistas da agência espacial estadunidense precisam encontrar evidências no Planeta Vermelho e, para realizar essa tarefa, eles já escolheram qual é o melhor local marciano para encontrá-las.

A cratera Jezero, uma depressão na superfície de Marte, onde antes existia um lago, foi escolhida como a "pista de aterrissagem" de um veículo explorador que em 2020 coletará amostras para provar que a vida microbiana primitiva existia no Planeta Vermelho, relata a Nasa através de um comunicado.

Macaque in the trees
Marte (Foto: Nasa)

Segundo afirmou aos jornalistas o administrador associado da Direção de Missões Científicas da Nasa, Thomas Zurbuchen, a missão para recolher amostras de rochas e solo provavelmente será lançada em 2020.

"É previsto que a missão seja lançada em julho de 2020 como o próximo passo da Nasa na exploração do Planeta Vermelho. Não procurará apenas sinais de antigas condições habitáveis e da vida microbiana do passado, como também o veículo explorador coletará amostras de rocha e solo e as armazenará em um esconderijo na superfície do planeta", revela a agência espacial norte-americana.

"Adicione a isso um par de anos ou o que for necessário para o retorno, por isso, é mais provável que seja […] nos primeiros anos da década de 2030, quando as amostras retornam à Terra", disse Zurbuchen.

A Nasa explicou que a cratera Jezero é uma gigantesca bacia que surgiu como resultado do impacto de um meteoro ao norte do equador marciano.

Os cientistas da missão acreditam que a cratera de 75 quilômetros de largura, que uma vez foi o delta de um rio, poderia ter preservado antigas moléculas orgânicas e outros possíveis sinais de vida microbiana da água e dos sedimentos que fluíram para a cratera há bilhões de anos.