Jornal do Brasil

Ciência e Tecnologia

Astrônomos anunciam que galáxia vizinha está se despedaçando

Jornal do Brasil

A Pequena Nuvem de Magalhães, uma das galáxias satélites maiores da Via Láctea, está se despedaçando após colisão com a Grande Nuvem de Magalhães, detalharam astrônomos à revista científica Astrophysical Journal Letters.

As nuvens estelares são galáxias satélites da Via Láctea, chamadas de Pequena Nuvem de Magalhães (SMC) e Grande Nuvem de Magalhães (LMC).

Macaque in the trees
Galáxia (Foto: Nasa)

"É uma descoberta extremamente impressionante. Nós descobrimos uma área gigantesca da Pequena Nuvem de Magalhães, chamada Asa, que agora se separou da parte principal da galáxia e está se movendo em direção à Grande Nuvem de Magalhães", declarou Sally Oey, professora de astronomia da Universidade de Michigan, EUA.

A Via Láctea não está sozinha no espaço. Ao lado dela há várias galáxias anãs. As SMC e LMC são as maiores e representam duas famílias pequenas de estrelas de 13 a 14 anos-luz de diâmetro.

Essas galáxias há muito atraem atenção de astrônomos por terem forma distinta, o que confirma a colisão da Grande Nuvem de Magalhães com a Pequena Nuvem no passado, bem como por girarem ao redor da Via Láctea de forma incomparável a outros satélites.

 

Recentemente, astrônomos encontraram provas de que o "combate espacial" entre SMC e LMC foi vencido pela maior galáxia, que arrancou pedaços de gás da Pequena Nuvem de Magalhães e a privou de reservas significativas de matéria escura. Como resultado, uma parte das estrelas da "irmã caçula" se viu catapultada para o espaço, formando várias linhas brilhantes, ligadas por duas aglomerações de astros.

Juntamente com uma equipe internacional, Sally Oey examinou a Pequena Nuvem de Magalhães em busca de estrelas fugitivas, ou estrelas que foram ejetadas de grupos de estrelas dentro da Pequena Nuvem. Para observar a galáxia, astrônomos utilizaram dados recentes do Gaia, um novo telescópio orbital lançado pela Agência Espacial Europeia.

Gaia é designado a fotografar estrelas por um longo período de tempo e de forma contínua para capturar o movimento delas em tempo real. Assim, cientistas conseguem medir como estrelas se movem pelo espaço.

As medições do Gaia expuseram uma realidade inesperada: uma região gigantesca no sudeste da Pequena Nuvem de Magalhães "se separou" dela e está se movendo em direção à Grande Nuvem a 64 km/s.

Além do mais, todas as estrelas jovens — Asas — desta região da galáxia se movem mais rapidamente do que nas outras regiões e estão viajando na mesma direção, ou seja, ao encontro da Grande Nuvem de Magalhães.

Para a equipe internacional, trata-se de colisão entre SMC e LMC, e não de apenas um esbarro entre elas, como acreditam outros cientistas.



Tags: Espaço

Recomendadas para você