Jornal do Brasil

Ciência e Tecnologia

Após 1.300 anos, 'feitiço do amor' egípcio é finalmente decifrado

Jornal do Brasil

Pesquisadores dizem ter encontrado um tipo de feitiço ou magia do amor em um antigo papiro egípcio, onde estão retratadas criaturas que lembram pássaros conectados através de algo que parece ser um falo (forma de representação do órgão reprodutor masculino).

"A característica mais marcante do [papiro] é a sua imagem", disse o Dr. Korshi Dosoo, da Universidade de Wuerzburg (Alemanha), que publicou a foto do papiro no Journal of Coptic Studies.

Macaque in the trees
Papiro egípcio com feitiço do amor de 1300 anos (Foto: Effy Alexakis/Macquarie University)

O antigo pergaminho, que remonta ao período cristão da história do Egito, retrata uma imagem de duas possíveis aves, viradas de frente uma para outra e ligadas por algo que poderia ser a representação de um órgão genital masculino.

Ademais, as duas "aves do amor" estão envolvidas em um par de braços humanos estendidos e envolta está escrito o feitiço em copta — a antiga língua egípcia."Do ponto de vista de um observador, poderíamos dizer que a imagem pode ter melhorado o aspecto performativo do feitiço", acrescenta Dosoo.

 

Além disso, o pesquisador relata que as pequenas diferenças encontradas nos animais indicam que eles são de sexos opostos, onde o macho estaria à esquerda e a fêmea à direita. Ele também estipula que a "magia" poderia ter sido usada em casos de amor não correspondidos.

"Textos literários cristãos do Egito, que mencionam feitiços de amor, frequentemente implicam que o problema não é que a mulher não ame o homem em si, mas sim que ele não tem acesso a ela, porque ela é uma mulher solteira e jovem protegida e isolada por sua família, ou que já é casada com alguém", disse o pesquisador.

 

O misterioso pergaminho, além de ter apenas poucos fragmentos restantes, também não possui nenhum registro de suas origens e está atualmente guardado na Universidade Macquarie, na Austrália.



Recomendadas para você