Um oceano perdido no espaço: Nasa descobre evidências de água em Ceres

A sonda Dawn da Nasa descobriu mais evidências de que o planeta anão Ceres, que fica no Cinturão de Asteroides - entre Marte e Júpiter - realmente tem um enorme oceano sob sua crosta sólida.

A ideia de que Ceres poderia ter um oceano subterrâneo existia antes de 2015, quando Dawn se aproximou do planeta anão. Agora, dois novos estudos agora respaldam essa teoria.

O primeiro estudo, realizado por Anton Ermakov, pesquisador pós-doutorado no Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa na Califórnia, revela evidências de um relevo pronunciado sob a crosta do planeta anão.

A evidência foi adquirida medindo pequenas mudanças na órbita de Dawn, graças às chamadas "anomalias gravitacionais". Simplificando, essas anomalias são discrepâncias entre a gravidade medida real e o que os cientistas esperavam que fosse. Essas discrepâncias provavelmente são causadas por montanhas sólidas sob a crosta relativamente plana de Ceres.

"Ceres tem uma abundância de anomalias de gravidade associadas a características geológicas excepcionais", disse Ermakov.

Além disso, o estudo também determinou que a crosta do planeta não é suficientemente densa para ser rochosa, de acordo com o Phys.org. Na verdade, parece ser feito de gelo de água. Mas como o gelo é muito macio para suportar uma estrutura tão maciça como a crosta do planeta anão, as evidências intrigavam os cientistas.

Outro estudo, este de Roger Fu na Universidade de Harvard em Cambridge, Massachusetts, pode esclarecer esse paradoxo planetário. A equipe de Fu descobriu que a crosta de Ceres é provavelmente feita de "uma mistura de gelo, sais, rocha e um componente adicional que se acredita ser hidratante de clatrato". O último é um material constituído por moléculas de água que envolvem uma molécula de gás. Este material, embora seja 100 a 1000 vezes mais forte que o gelo, ainda é muito leve.

Isso levou os cientistas a acreditar que o planeta anão já teve uma topografia muito mais dramática, mas desde então foi achatado para meras "anomalias da gravidade". Essa erosão exigiria polir por algo como um oceano de água.

Acredita-se que a água esteja congelada em sua maioria, constituindo a maior parte da concha externa do planeta. Mas olhando para a forma como a concha se move, os cientistas chegaram à conclusão de que algum líquido residual ainda poderia estar escondido nela em algum lugar.

Os cientistas têm que confiar em métodos de medição distantes porque aterrissar diretamente no planeta anão seria tecnicamente complicado e possivelmente contaminaria o objeto celestial, de acordo com o Phys.org.

>> Sputnik