Nem a crise afasta os estrangeiros

Apesar dos rumores de crise econômica e política que assolam o Brasil e recheiam os noticiários internacionais, as instituições educacionais estrangeiras não tiraram o pé do freio e confirmam presença na 22ª edição do Salão do Estudante, maior evento de educação internacional da América Latina, que acontece em setembro em cinco capitais brasileiras: São Paulo, Rio de Janeiro (Barra da Tijuca e Copacabana), Curitiba, Belo Horizonte e Salvador.

O evento reunirá instituições de países como Argentina, Austrália, Canadá, Dinamarca, Estados Unidos, França, Portugal, Reino Unido e Suíça.

Para aqueles que planejam estudar em Portugal, por exemplo, haverá stands que contarão com a presença da: Associação Portuguesa de Ensino Superior Privado (APESP), com mais de 60 membros (5 estarão na feira); Universities Portugal, com 15 membros, entre elas Universidade do Porto, Universidade de Coimbra, Universidade Católica Portuguesa e Universidade de Lisboa; Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP), com 22 membros. Vale destacar que as universidades portuguesas aceitam o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) para ingresso em suas instituições. O custo de uma graduação em Portugal sai mais em conta do que em muitas universidades brasileiras e pode chegar até metade do valor. 

O Canadá, Reino Unido e os Estados Unidos, alguns dos principais destinos para estudantes brasileiros no exterior, estarão presentes mais uma vez e, este último, com o maior número de instituições representadas na feira.

Para aqueles que preferem destinos menos tradicionais, porém com um ótimo sistema de educação, como a Dinamarca, não faltará opções. No Rio de Janeiro, a Dinamarca virá com o grupo Top Talent, com sete das principais instituições do país.

Além disso, representantes governamentais de países como a Argentina, França, Estados Unidos e Austrália marcam presença nesta edição.

Os interessados em colocar o pé na estrada encontrarão cursos de idiomas, graduação, pós-graduação, MBA, ensino médio, preparação universitária, cursos técnicos, acampamentos de verão, Programa de Au Pair, estágios, além de cursos mais tradicionais como administração, arquitetura, ciências da computação, jornalismo, engenharia, direito, medicina, gastronomia, artes gráficas e design, hotelaria e turismo, cinema e artes cênicas. Com o objetivo de atrair os estudantes brasileiros, as instituições estrangeiras oferecerão taxas ou matrículas mais baixas, validação de curriculum nacional, parcelamentos, isenção de algumas taxas e diferentes opções de trabalho no exterior, além de ofertas exclusivas durante o evento.

“Sabendo do interesse do brasileiro em estudar lá fora muitas instituições de ensino oferecerão condições especiais. Os estudantes deverão ficar atentos, principalmente, em países que permitem trabalho e estudo”, alerta Samir Zaveri, organizador do Salão do Estudante. Para se ter uma ideia, de acordo com o coordenador, na Austrália, é possível estudar e trabalhar. Para isso, é preciso fazer um curso de línguas, graduação ou pós-graduação que tenha duração mínima de 14 semanas. Um curso de 4 semanas de inglês pode sair por US$ 1.200. Já o salário é, em média, de 13 dólares por hora, o que pode ajudar bastante na hora de cobrir as despesas do dia a dia, como alimentação, transporte e acomodação.  É possível ainda conseguir trabalhos remunerados na sua área de estudo, com a ajuda da própria instituição de ensino.

Ainda segundo a coordenação do Salão do Estudante, o visitante encontrará pacotes para San Diego, Estados Unidos, por duas semanas a partir de US$ 1.188, que incluem: curso, acomodação, taxa de matrícula, taxa de acomodação e serviço de aconselhamento.  O mesmo curso, com duração mais longa de quatro semanas, custa cerca de US$ 2.046 o pacote completo. Já um mês aprendendo espanhol em Buenos Aires, capital da Argentina, sai em torno de US$ 1.545 com tudo incluso.

Quem quiser sentir o “gostinho” de como funcionam as aulas de inglês nos Estados Unidos poderá vivenciar a experiência durante o Salão do Estudante. Uma sala de aula será montada e professores de importantes universidades americanas darão aulas aos visitantes da feira. Informações sobre cultura do país e dicas de conversação também fazem parte da dinâmica.  A participação é gratuita e as vagas serão limitadas e de acordo com a ordem de chegada, para se inscrever é preciso realizar um teste no dia do evento. O teste tem como finalidade avaliar o nível e o conhecimento do idioma de cada visitante. As aulas acontecerão apenas na cidade de São Paulo.

Em todas as cidades haverão seminários dedicados à cultura de diversos países, informações sobre os sistemas educacionais, dicas de vistos, acomodação e moradia e todo o suporte necessário para o estudante ingressar nas instituições.

A entrada é gratuita e o estudante poderá fazer a inscrição pelo site www.salaodoestudante.com.br.