Entenda como funciona a plástica facial eutrófica 

Marcelo Daher desenvolve técnica de lifting facial inovadora e com recuperação mais rápida

Em um momento onde o Brasil lidera o ranking mundial de cirurgias plásticas tradicionais, de acordo com pesquisa publicada, pela Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (ISAPS), o cirurgião plástico Marcelo Daher apresenta o Lifting Eutrófico Facial. Trata-se de uma técnica inovadora e menos invasiva de lifting facial com resultados superiores às demais técnicas.

“Diferente do método tradicional, a plástica eutrófica não descola a pele do rosto. Neste procedimento, apenas a musculatura é tracionada,” afirma o especialista, acrescentando que para este procedimento a anestesia é local e o tempo cirúrgico é 50% menor.

De acordo com o especialista, como a anestesia é local, depois de poucas horas do pós-operatório, o paciente encontra-se em condições para ter alta hospitalar. “A recuperação é bastante rápida, em torno de cinco a sete dias”, explica Daher, alertando que o paciente precisa ter cuidados como evitar atividades físicas e se proteger do sol.

Para prolongar o efeito da plástica, é importante manter a pele hidratada, não dormir sobre o rosto, além de na maioria dos casos ser aconselhável a aplicação de toxina botulínica (botox) duas ou três vezes ao ano. “Os tratamentos fisioterápicos na face e o uso continuado de cosméticos são indispensáveis”, alerta o profissional. 

Conheça mais sobre a técnica

A Plástica Eutrófica (do grego: EU=BOM  TROPHOS=NUTRIÇAO) é uma técnica nova de lifting facial com dissecação mínima da pele, restrita ao redor da orelha num raio de quatro cm. Isto mantém intactos os vasos e nervos e não deixa a paciente com um ar plastificado, sem brilho e "marmorizado". O trabalho foi desenvolvido pelo Dr. Marcelo Daher, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e da Sociedade Americana de Cirurgia Plástica, e já foi apresentado em 12 congressos, incluindo três vezes nos EUA. 

A técnica permite diminuir o tempo cirúrgico em 50%, por ser um procedimento menos invasivo e apresentar menor morbidade, além de melhorar a qualidade do resultado. Os casos realizados demonstraram resultados estéticos superiores às demais técnicas quanto à textura da pele pós-lifting, de aspecto normal e eutrófico (nutrido). Nessa técnica, a lipoaspiração dos excessos adiposos localizados e generalizados na face e no pescoço é seletiva e fiel aos preceitos de manter o volume facial. 

Como a anestesia é local, depois de poucas horas do pós-operatório, o paciente encontra-se em ótimas condições para ter alta hospitalar. O fato de a técnica dispensar o uso de drenos e de curativos na maioria dos casos, com índices de complicações próximos a zero, completam os aspectos positivos observados.