Dia Mundial de Luta contra as Hepatites Virais alerta para o aumento de casos da doença no Brasil

Gastroenterologista doHospital Quinta D’Or recomenda cuidados diários e vacinação como prevenção

Pouco comentada nos dias de hoje, as hepatites virais ganham destaque no dia 28 de julho, data em que se comemora o Dia Mundial de Luta contra as Hepatites Virais no Brasil. Trata-se de um importante alerta para quem ainda desconhece as doenças, que podem ser classificadas como hepatites A, B, C, D (ou Delta) e o E. Mesmo tendo diferença quanto ao tipo viral e estrutura molecular, todas elas têm o mesmo alvo primário: o fígado.

A gastroenterologista do Hospital Quinta D’Or, Ana Pittella, explica que o impacto causado pelas hepatites merece atenção, já que só no Brasil cerca de dois milhões de casos de hepatite C foram registrados nos últimos anos. Mas, como identificá-las?

Segundo a especialista, as doenças possuem características distintas entre elas. As hepatites A e E, por exemplo, são transmitidas pela via orofecal, por água e alimentos contaminados ou contato pessoal. “Podem causar infeções agudas benignas, que evoluem para a cura sem necessidade de tratamento específico”, explica a especialista. Abaixo, a especialista descreve com detalhes a diferença entre elas:

Hepatite A - transmissão orofecal, por água e alimentos contaminados ou contato pessoal com pessoas infectadas. Maior disseminação em áreas onde são precárias as condições sanitárias e de higiene da população.

Hepatite B - via primária de transmissão é a parenteral, ou seja, que se faz por outra via que não a digestiva, por contato com sangue e hemoderivados. É também transmitida por contato sexual e de mãe infectada para o recém-nascido (durante o parto ou no período perinatal).

Hepatite C - a forma mais comum de transmissão é a parenteral, por exposição percutânea direta ao sangue, hemoderivados ou instrumental cirúrgico contaminado. Receptores de sangue e derivados, usuários de drogas injetáveis, pacientes de hemodiálise e profissionais de saúde (vítimas de acidentes perfurocortantes) apresentam alto risco de infecção pelo HCV.

Hepatite D - o agente Delta é um vírus deficiente que precisa, para sua replicação e expressão, da função auxiliar do vírus da hepatite B. A forma de transmissão é similar à da hepatite B. Nos países apresentando baixa prevalência para a hepatite B, a infecção pelo vírus Delta ocorre principalmente entre os usuários de drogas injetáveis e os hemofílicos.

Hepatite E - a forma mais frequente de transmissão é por ingestão de água contaminada; menor probabilidade de transmissão por contato pessoal. O vírus da hepatite E (HEV) assim como o da hepatite A, causa uma infecção benigna que não evolui para a forma crônica. Os casos mais graves são observados entre as gestantes: 20% das que contraem o HEV evoluem para a forma fulminante, fatal em 80% dos casos.

Sintomas e tratamento

Ana Pittella afirma que o meio mais eficaz e conveniente de se prevenir as hepatites A e B ainda é a vacinação. “Não existe vacina contra a hepatite C, portanto sua prevenção está baseada em alerta e orientação”, reforça. Outras formas de prevenção são: saneamento básico, boas práticas de higiene pessoal, uso de preservativos, agulhas e seringas descartáveis, entre outras.

As hepatites virais, incialmente silenciosas, demoram alguns anos para desenvolver complicações. Entretanto, a gastroenterologista destaca alguns dos principais sintomas que surgem durante a fase inicial da doença: náuseas, vômitos, mal-estar, dor de cabeça e perda do apetite.

Os tratamentos mais indicados variam de acordo com a doença. Para as hepatites A e B, é recomendável repouso relativo, aumento de ingestão de líquidos e alimentos saudáveis. Não há medicamentos específicos. Já para a hepatite crônica B, há várias opções de tratamentos, incluindo drogas orais.

Enquanto que para a hepatite C, é preciso levantar uma série de fatores para dar início ao tratamento mais adequado, por exemplo: qual é a quantidade de vírus no organismo do paciente, se há a existência ou não de cirrose, se há alguma outra doença associada, entre outros. “A boa notícia é que já estão disponíveis recentes avanços no número e no tipo de medicamentos para combater a hepatite C”, finaliza Ana Pittella.