Tripulantes especialistas em meio ambiente comandam expedição em Ilha Grande

Em companhia de biólogos marinhos, o biomergulho é apresentado ao público

O Immerse é mais do que uma programação turística de lazer em alto mar. Trata-se de um projeto que engloba autoconhecimento e conscientização ambiental. Em um veleiro de 50 pés, o passeio acontece pelas principais praias de Ilha Grande, mas no lugar de guias turísticos, profissionais capacitados em gestão ambiental. Todos os tripulantes, desde a idealizadora até o capitão, são especialistas em áreas do Meio Ambiente.  A formação técnica diferenciada da tripulação possibilita aos passageiros o acesso às informações ambientais a respeito dos diferentes locais e espécies apreciados durante toda a expedição. Assim, o Immerse inova ao oferecer o serviço de biomergulho, ou seja, o mergulho consciente. 

Durante a expedição, realizada por meio de um luxuoso veleiro, com duração de três dias,  a nova prática possibilita aos usuários compreender o cenário natural visualizado de baixo d'água. Por exemplo, durante o mergulho tradicional a pessoa avista uma pedra coberta por elementos brancos e tende a concluir que se trata de algo natural muito bonito. Já por meio do biomergulho, ela saberá que está vendo uma Medusa de Fogo, animal oriundo de outro país, que veio transportado pelos cascos de navios e dominou a Ilha Grande por não haver predador para ele no local. O indivíduo entenderá que se trata de uma espécie que coloniza pedras e, além disso, o motivo de não haver corais nas áreas onde ela habita.

A novidade do Immerse não para por aí. Não existia até então uma expedição do tipo atrelada à proposta filosófica de bem-estar e incentivo à autodescoberta. O roteiro inclui navegação, mergulho, standup, snorkel, trilhas, surf, meditação e banho de cachoeira.?O santuário ecológico Saco do Céu, o Pico da Pedra D'água e as praias de Lopes Mendes e Palmas são alguns dos locais para desempenho das atividades e pontos de paradas e descanso.  

O projeto se torna revelador por apresentar a arte de sentir-se em harmonia consigo próprio, através da junção de atividades para relaxamento com elementos variados do meio ambiente, ideal para reenergizar o corpo, equilibrar a mente e revigorar a alma. 

Segundo a bióloga responsável pelo Immerse, Claudia Bethlem, especialista em Saúde, Meio Ambiente e Segurança Ambiental e doutora em Oceanografia, "o objetivo do projeto é compartilhar com os passageiros a oportunidade de conhecer áreas de belezas naturais e, ao mesmo tempo, aprender sobre as espécies locais, bem como a preservá-las. O nome do programa faz jus à sua concepção porque o público é literalmente convidado a imergir na biodiversidade de áreas paradisíacas". 

Cláudia tem experiência na área de conservação de espécies ameaçadas de extinção em locais que vão desde o Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha até o Estreito de Gerlache na Antártica. ?Quando trabalhou no Projeto Tamar, aprendeu técnicas de Educação Ambiental desenvolvidas por meio do incentivo ao amor pelo meio ambiente. Ela conta que precisou implantar essa experiência quando foi contratada para fazer pesquisas para identificação de espécies na Antártica porque o sucesso de seu trabalho dependia totalmente da "boa vontade" da marinha.

A bióloga explicou que, como estratégia, fez com que eles se envolvessem com os animais. Assim, na mediada que os tripulantes entendiam e compreendiam mais o universo marítimo, eles próprios apresentavam cada vez mais interesse em ver as maravilhas das profundezas do oceano. "Quando eu trabalhei com pesquisas de baleias, na Geórgia do Sul, também foi assim. Os marinheiros tinham receio porque o local fica no meio do oceano inteiro, numa latitude que não há barreiras de continente, o que acentua a velocidade e força das correntes. Lá há os ventos mais fortes e as maiores ondas. Com o envolvimento da tribulação, pudemos descobrir que é nessa área que as baleias brasileiras estavam se alimentando e não na Península Antártica, como acreditávamos. Igualmente acontece no Immerse, todo o foco do trabalho é voltado a despertar o amor das pessoas pelo fundo do mar".

Nessa mesma linha técnica se apresenta o comandante da embarcação. Formado em gestão ambiental, o capitão da Marinha do Brasil, José Maria, carrega em sua bagagem mais de 100.000 milhas navegadas pelas costas do Brasil, Caribe, Europa, Mediterrâneo, ilhas dos Açores, Canárias e Cabo Verde. Durante o translado, seu conhecimento a respeito do universo da navegação lhe possibilita falar aos passageiros mais do que sobre os mistérios dos tesouros escondidos no mar navegado. Ele fala também sobre elementos relacionados ao clima, como os diferentes tipos de vento, suas direções e respectivas posições indicadas para as velas. 

De acordo com a especialista em ciências biológicas,?Laura Viana, também integrante da equipe técnica do Immerse, na hora das trilhas, é possível saber sobre a flora e a fauna local, além de conhecer a cultura caiçara. Ela também explica o porque da prática de mergulho livre ser realizada com consciência ambiental a respeito do que é apreciado.?"Nesse momento os olhos se voltam às diferentes espécies marinhas, como os peixes Papagaio, Apogon Brasileiro e Papagaio Azul. Também linhagens . É comum até nas pedras,?observarmos as ovas dos peixes conhecidos como "Sargentinhos", que formam um agregado de coloração roxa muito bonito". 

Serviço Immerse 

Av. das Américas, 500 Bloco 2A, salas 209 e 210 - Barra da Tijuca | 22640-100 | Rio de Janeiro | RJ | Brasil

Telefone: (21) 2225-0823

https://www.immersexpeditions.com/pt

Próximas datas

26 de janeiro

23 de fevereiro

25 de fevereiro

Saída 

- 1h30 da Marina Verolme (endereço: Rodovia Rio-Santos Km 469, Angra dos Reis-R).