Nasa completa 55 anos com planos de levar humanos a Marte até 2030

A Nasa começa nesta terça-feira seu 56º ano de operações e, além de celebrar as conquistas do passado, tratou de expôr alguns de seus planos para o futuro. A agência espacial americana pretende expandir o acesso comercial à Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês) - possibilidade recente, que teve início com a permissão de espaçonaves privadas levarem ferramentas e mantimentos para a casa dos astronautas no espaço - e desenvolver um novo foguete para enviar seres humanos mais longe do que jamais foram - projeto que terá início com uma missão para capturar um asteroide e rebocá-lo até a Lua na próxima década.

"Estamos explorando além da Terra, para a Terra, revelando mistérios do nosso Sistema Solar e perscrutando o início do Universo, tudo enquanto desenvolvemos tecnologias para permitir à Nasa manter as missões atuais e as futuras, e melhorar a vida aqui mesmo, na Terra", afirmou a agência em um comunicado divulgado em seu site.

A Nasa aproveitou para relembrar os feitos de exploração espacial atingidos até hoje - um legado de descobertas que abre portas para o futuro, na visão da agência americana. Doze humanos foram enviados para caminhar e trabalhar na Lua, oito veículos tentaram explorar Marte - onde acaba de ser encontrada água - e uma sonda ultrapassou a barreira do Sistema Solar, atingindo o espaço interestelar. A Terra foi extensivamente estudada, assim como cada outro planeta no Sistema Solar e o próprio Sol, no centro de tudo.

A construção da Estação Espacial Internacional também foi aclamada pela Nasa: maior do que uma casa com cinco quartos, onde humanos vivem e trabalham fora do planeta desde novembro de 2000. Os mais de 30 anos de missões espaciais ainda foram lembrados, assim como o lançamento de telescópios como o Hubble - cujo criador morreu há 60 anos. O desenvolvimento de tecnologias que hoje tornam mais segura e sustentável a aviação. "Há coisas demais para listar todas... e ainda não terminamos", escreveu a agência espacial americana.

O plano de enviar humanos a Marte até a década de 2030 recebeu destaque como um dos principais projetos vindouros, e talvez o que a agência aprendeu - e ensinou - desde décadas atrás, quando chegou à Lua, possa ser futuramente aplicado na construção de uma colônia no planeta vermelho.