Estudo tem êxito ao tratar 14 adultos contra o HIV

Pesquisadores já atingiram "cura funcional" de bebê 

PARIS - Um estudo realizado na França revelou que 14 adultos infectados pelo vírus HIV dão sinais de que estão “funcionalmente curados”, o que significa que ainda carregam pequenos reservatórios do vírus, mas não apresentam sintomas, apesar da interrupção do tratamento. 

A notícia foi publicada na “NewScientist” duas semanas após a divulgação de que um bebê  havia sido “curado” da Aids. De acordo com os pesquisadores, a explicação para este resultado pode ser o início mais cedo possível do tratamento após a infecção.

Os 14 adultos começaram a ser monitorados quando recebiam medicamentos antirretrovirais, dez semanas após a infecção pelo HIV. Em média, os pacientes interromperam o tratamento, sob supervisão médica, cerca de três anos depois. Os 14 adultos ainda têm traços de HIV no sangue, mas em níveis tão baixos que o organismo pode mantê-los sob controle sem a necessidade de drogas.

Há cerca de duas semanas, o anúncio de que um bebê havia sido "curado" da Aids repercutiu no meio acadêmico. Ele foi tratado com medicamentos antirretrovirais cerca de 30 horas após o nascimento. O pesquisador Asier Sáez-Cirión, do Instituto Pasteur, na França, adverte que o tratamento rápido não funciona para todos, mas o novo estudo reforça a conclusão de que a intervenção precoce é importante.