Niterói terá museu a céu aberto na beira da praia

MAST vai disponibilizar telescópio para observação do sol em Niterói e São Gonçalo

Brincar com a ciência pode ser mais prazeroso do que se imagina. Principalmente se essa brincadeira ocorrer em plena praia, no verão! Nos finais de semana de março, o Museu de Astronomia vai levar às praias de Niterói e ao Piscinão de São Gonçalo atividades de popularização da ciência para os banhistas. Tudo gratuito

Astronomia é uma ciência que desperta o interesse de muitas pessoas. Praia é um ponto de encontro e diversão dos cariocas. Então, que tal unir a satisfação do conhecimento ao prazer da diversão? É isso que o Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST) irá fazer neste verão de 2013. Depois de percorrer praias do Rio de Janeiro em 2012, neste mês de março o MAST irá surpreender os banhistas das praias de Icaraí, Piratininga e Itaipu, em Niterói, e do Piscinão de São Gonçalo, também conhecido como Parque Ecológico da Praia das Pedrinhas, levando o Museu à Praia, literalmente.

Nos dias 02 e 03, 09 e 10, 16 e 17, 23 e 24 de março (sábados e domingos), das 10h às 16h, ao mesmo tempo em que se bronzeiam, os banhistas poderão observar o sol através de filtros especiais acoplados no telescópio Celestron e no P.S.T.. Dessa forma, será possível aproveitar o clima enquanto conhecem o nosso astro-rei. Em plena diversão com a família, os interessados também poderão conferir como são formadas as ondas do mar e por que elas quebram ao chegar perto da areia.

Para compreender o calor intenso deste verão, um modelo interativo mostrará como a incidência solar determina as estações do ano nos trópicos e nas demais áreas do globo terrestre. Por outro lado, experimentos de ilusão de ótica explicarão as curiosidades das tonalidades de cores, o desenvolvimento de filmes de animação e os efeitos de imagem nos espelhos côncavos e convexos.

A tradicional oficina Brincando com a Ciência também irá à praia para instigar o público com invenções construídas com objetos domésticos – como isopor, latas e demais acessórios baratos e fáceis de encontrar –, que demonstram fenômenos de ordem mecânica, ótica e sonora. Entre eles, os pêndulos dançarinos, que aparentemente se movem sozinhos ao mesmo tempo em que revelam os princípios físicos de velocidade e de frequência.

Fazer pipoca com energia solar e sentar em um banquinho de pregos serão outras atrações do projeto Museu vai à Praia, que tem a proposta de discutir com os visitantes as implicações da ciência e tecnologia com outros assuntos presentes na vida cotidiana. A atividade possibilita situações interativas significativas para crianças, adolescentes e adultos com diversos backgrounds educacionais, que poderão unir teoria e prática instantaneamente, enquanto curtem o mar e o sol. 

“Levar uma atividade de divulgação científica para um local de entretenimento é muito bacana. O resultado de aproximação das pessoas em relação às questões científicas acaba sendo natural. Em se tratando de praia, então, o efeito é multiplicativo, já que as pessoas estão imersas em um ambiente de descontração e tendem a ter um tempo de interação muito maior. É diferente de levar uma atividade de divulgação científica ao metrô, por onde simplesmente passam, com tempo determinado” – explica Douglas Falcão, coordenador da área de Educação em Ciências do MAST e responsável pelo projeto.

Sustentabilidade

O Museu vai à Praia aproveita a oportunidade de estar ao livre e em contato com a natureza para explorar algumas questões importantes de sustentabilidade. Nos oito dias de realização do evento, os mediadores do projeto apresentarão ao público alguns aparatos de aproveitamento de energia solar e eólica. 

Um material confeccionado manualmente, com uma placa foto voltaica, irá converter a energia do sol em energia elétrica capaz de acionar as hélices de um pequeno ventilador. Um conjunto de espelhos irá convergir a luz solar para um ponto central e possibilitará estourar os milhos para que todos possam comer uma deliciosa pipoca feita com energia natural. 

Por outro lado, um projeto inédito de captação de energia eólica irá chamar a atenção dos banhistas. Um equipamento grande, construído com calha de chuva, madeira, cano de esgoto, rolamentos e motor gerador de energia, será capaz de acionar um rádio a pilha e uma lanterna.

O grande apelo dos aparatos de conversão de energia natural em energia elétrica é mostrar às pessoas que é possível que elas próprias gerem energia em suas casas, bastando um pouco de criatividade e interesse, de acordo com Joubert Poça, Técnico em Eletrônica do MAST e responsável pela construção dos aparatos científicos.

“Esses aparatos não têm intenção de substituir a energia elétrica da fornecedora oficial, mas podem entrar como um sistema de apoio, complementar. Podemos gerar energia elétrica para reduzir nossa conta de luz. O vento é gratuito, e a luz solar também. Eu analiso pelo lado inteligente da coisa: se eu posso poupar, por que não fazer?" – questiona Joubert.