Relatório analisa riscos de um mundo 4 graus mais quente até o final do século

O mundo avança rapidamente para ficar até 4 graus mais quente no final deste século se a comunidade global não tomar medidas para evitar as mudanças climáticas. Segundo um novo relatório científico encomendado pelo Banco Mundial, e divulgado hoje, o aumento da temperatura desencadeará uma série de alterações incontroláveis, tais como ondas de calor extremo, diminuição dos estoques mundiais de alimentos e uma elevação do nível do mar que afetarão centenas de milhões de pessoas. Todas as regiões do mundo seriam afetadas, mas o estudo constata que os desfavorecidos serão os que mais sofrerão. 

O relatório diz que os cenários de 4°C são potencialmente devastadores: a inundação de cidades costeiras; os crescentes riscos à produção de alimentos que podem elevar as taxas de subnutrição e desnutrição; muitas regiões secas tornando-se ainda mais secas; regiões úmidas ainda mais úmidas; ondas de calor sem precedentes em muitas regiões, especialmente nos trópicos; forte agravamento da escassez de água em muitas regiões; maior intensidade de ciclones tropicais e perda irreversível da biodiversidade, inclusive sistemas de recifes de coral. 

"As respostas do sistema da Terra à mudança climática aparentemente não são lineares", indica John Schellnhuber, diretor do Potsdam Institute for Climate Impact Research (PIK). "Se nos arriscarmos a ir muito além do limite de 2 graus, até 4 graus, o risco de ultrapassarmos pontos de ruptura aumenta vertiginosamente. A única forma de evitarmos isso é rompermos com o padrão habitual de produção e consumo". 

O relatório ressalta, contudo, que não é impossível evitar um mundo 4°C mais quente e que com ação política sustentada, o aquecimento ainda pode ser mantido abaixo de 2°C, que é a meta adotada pela comunidade internacional e que mesmo assim produz alguns danos e riscos ao meio ambiente e às populações humanas.