Ministério da Saúde: quase metade dos brasileiros está acima do peso

Pesquisa divulgada nesta terça-feira pelo Ministério da Saúde mostra que 48,5% da população brasileira está acima do peso ideal. Segundo o estudo, o percentual de gordos em 2006 era de 42,7%. No mesmo período, a proporção de obesos subiu de 11,4% para 15,8%.

O levantamento revela ainda que o sobrepeso é maior entre a população masculina. Mais da metade dos homens (52,6%) está acima do peso ideal, enquanto 44,7% das mulheres apresentam sobrepeso. 

Ainda segundo a pesquisa, o excesso de peso entre homens começa cedo: entre os que têm entre 18 e 24 anos, 29,4% já estão acima do peso. Na faixa etária entre 25 e 34 anos, 55% da população masculina apresenta excesso de peso. A porcentagem sobre para 63% na faixa etária entre 34 e 25 anos.

Já entre mulheres jovens (até 24 anos), 25,4% apresentam sobrepeso. A proporção aumenta para 39,9% entre 25 e 34 anos, e mais que dobra entre brasileiras de 45 a 54 anos (55,9).

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, e o secretário de Vigilância em Saúde, Jarbas Barbosa, divulgaram os dados mais recentes da pesquisa Vigitel (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico), que coletou informações nas 26 capitais brasileiras e no Distrito Federal.

Segundo o Ministério da Saúde, Porto Alegre é a capital que possui a maior quantidade de pessoas com excesso de peso (55,4%), seguida por Fortaleza (53,7) e Maceió (53,1). Na outra ponta da lista, com a menor proporção de pessoas com sobrepeso, estão São Luís (39,8%), Palmas (40,3%), Teresina (44,5%) e Aracaju (44,5%).

São Paulo apresenta 47,9% de pessoas com excesso de peso. A proporção no Rio de Janeiro é de 49,6%, e no Distrito Federal é de 49,1%.

Em São Paulo, a proporção de obesos é de 15,5%, no Rio de Janeiro o percentual é de 16,5% e no Distrito Federal os obesos representam 15% da população.

Tabagismo

Um dado positivo foi a diminuição do tabagismo, passando para menos de 15% da população em 2012. "Pela 1ª vez estamos abaixo da média em relação ao tabagismo. Isso é retrato das políticas que vêm sendo exercidas", disse o ministro Padilha. Segundo ele, a decisão da Anvisa de proibir os aditivos em cigarros irá ajudar a redução entre mulheres e jovens. "O reforço da fiscalização contra a pirataria no cigarro também contribui para que os números do tabagismo diminuam mais", acrescentou.

Outra medida recente para reduzir o número de fumantes foi a proibição de fumódromos em locais públicos. "Espaços coletivos e locais de trabalho são lugares que têm que estar livres do tabaco", argumenta o ministro. Segundo a pesquisa, a redução de fumantes explica a queda anual de 1,98% das mortes por doenças cardiorrespiratórias no Brasil.

Sedentarismo

Outra boa notícia foi a redução de sedentarimo da população nos últimos três anos (2009 a 2011), segundo Barbosa. Florianópolis (SC) é a capital brasileira que se destaca na atividade física no tempo livre, com 41% de sua população.