Novo método confirma diagnóstico de tuberculose em poucas horas

Cientistas anunciaram nesta segunda-feira ter desenvolvido uma técnica capaz de realizar o diagnóstico de tuberculose em apenas 1 hora e meia. Atualmente, o teste padrão é a chamada baciloscopia de escarro - capaz de detectar a presença no organismo do Bacilo de Koch, causa da doença. No entanto, há casos de resultados falso-negativo em pacientes que possuem sinais característicos da doença. Para estas pessoas, só a cultura da secreção, que leva algumas semanas para ficar pronta,  é capaz de detectar a enfermidade com precisão.

A terapia contra a tuberculose consiste na administração de quatro antibióticos (etambutol, pirazinamida, isoniazida e rifamicina) durante um período de seis meses e deve ser iniciado assim que o médico, através de exames físicos e radiológicos, suspeite da doença. Isto faz com que indivíduos contaminados por bactérias resistentes a alguma das medicações não sejam tratados adequadamente, os colocando em perigo e aumentando as chances do desenvolvimento de microorganismos ainda mais fortes. O novo método, além da vantagem da velocidade, permite identificar a quais substâncias o bacilo é sensível.

"A tuberculose é uma das doenças infecciosas que mais mata e o diagnóstico precoce é essencial. As nossas conclusões permitirão que especialistas de todo o mundo tenham acesso às novas ferramentas e as implementem em seus hospitais e laboratórios", diz o pesquisador e co-autor do estudo Thomas Bodmer, da Universidade de Berna, na Suíça. 

A tuberculose é uma doença infecto-contagiosa, que acomete cerca de 70 mil brasileiros todos os anos. Embora na maior parte das vezes atinja os pulmões, pode afetar outros órgãos, como os intestinos e os rins. Os sintomas mais comuns são tosse seca por mais de três semanas, falta de apetite, emagrecimento, fraqueza e febre na parte da tarde. Nos casos mais graves, provoca falta de ar, acúmulo de pus na pleura pulmonar eliminação de sangue em grande quantidade. 

A transmissão ocorre por via aérea, através de gotículas expelidas na tosse ou na fala do doente. Para previnir a tuberculose, recomenda-se que as crianças recebam a vacina chamada de BCG, de preferência, logo após o nascimento. Deve-se ter atenção especial com a alimentação e evitar o consumo de bebidas alcoólicas e o uso de drogas pois estes são fatores facilitadores da infecção. 

Pacientes com diabetes, HIV e que façam uso de medicamentos imunossupressores devem estar sob vigilância. O tratamento padrão da tuberculose consiste na administração de uso de três antibióticos durante um período de seis meses e é eficaz em 100% dos casos. No Brasil, são quatro as medicações utilizadas. Para facilitar a terapia, todas as substâncias  são ministradas em um mesmo comprimido.