Fundador da Wikipédia anuncia apagão em protesto ao Sopa

O fundador da Wikipédia, Jimmy Wales, decidiu se juntar a outros sites e participar de um protesto contra dois controversos projetos de lei antipirataria dos Estados Unidos, fechando a enciclopédia online na quarta-feira. Em seu perfil no Twitter, Wales afirmou que o site na língua inglesa ficará fora do ar por 24 horas em protesto ao Sopa (Stop Online Piracity Act), projeto em discussão na Câmara americana, e ao Pipa (Protect Ip Act), projeto semelhante que corre no Senado.

Nas postagens em seu perfil na rede de microblogs, Wales afirmou que o "apagão" é uma "decisão da comunidade da Wikipédia", e que pretende juntar-se a outros sites que terão iniciativas semelhantes, como o Reddit, que anunciou na semana passada que irá tirar do ar suas operações de compartilhamento em protesto aos projetos. Durante o tempo de inatividade, o Reddit irá mostrar uma transmissão ao vivo da audiência que discutirá o Sopa e exibirá uma simples declaração sobre sua posição contrária aos projetos de lei.

"O Pipa continua vivo, e não estamos recebendo confirmações firmes de que o Sopa será arquivado. Acho que isso é uma tática. A todo vapor!", tuitou Wales, duvidando dos rumores que indicam que os congressistas estejam tirando o Sopa da pauta da Câmara americana. Segundo Wales, nas 24 horas que a Wikipédia ficará fora do ar, os internautas que entrarem no site verão um comunicado da Fundação sobre os dois projetos. Ele explicou que apenas a versão de língua inglesa sairá do ar, "embora outros países possam incluir banners explicando a situação".

Em dezembro, o fundador da Wikipédia já havia sugerido uma ação similar, uma página em branco no lugar da sua enciclopédia para protestar contra o Sopa. Walles havia afirmado à época que estaria disposto a tirar o site do ar se a maioria da comunidade concordasse. Durante o apagão, a Wikipédia exibirá uma carta da comunidade e uma "chamada para ação", incentivando que os usuários escrevam e liguem para o Congresso em protesto ao projeto. "Meu objetivo é derreter os quadros de distribuição", escreveu.

Projetos e polêmica

Os projetos de lei preveem o bloqueio de sites que compartilham conteúdo que fere direitos autorais. O Sopa prevê mais poder ao governo na retirada do ar de sites que reproduzam conteúdo não autorizado pelos autores. Já o Pipa daria autoridade ao procurador-geral dos EUA para bloquear domínios de internet. Os dois projetos em andamento no Congresso americano sofrem forte oposição de empresas de tecnologia, como Google, Facebook, Twitter, eBay e Fundação Mozilla, e são apoiados por estúdios de Hollywood e detentores de direitos autorais, que afirmam que a lei é necessária para combater sites estrangeiros que vendem filmes piratas e mercadorias falsificadas.

O magnata de mídia Rupert Murdoch é um dos apoiadores dos projetos, e causou polêmica no Twitter no fim de semana. Primeiro, o dono da News Corp atacou o presidente norte-americano, afirmando que Barack Obama "entregou a sua parte aos 'mestres do pagamento' do Vale do Silício, que ameaçam os criadores de software com pirataria". O comentário é uma referência à posição da Casa Branca, que no fim de semana divulgou nota afirmando não apoiar "quaisquer projetos que rompam os padrões abertos da internet".

No segundo tweet sobre o tema, também no sábado, afirmou que o Google é o "líder em pirataria" no mundo, uma vez que "faz stream de filmes gratuitamente e vende anúncios relacionados a eles". O post ainda dizia que "não é à toa que o Google está despejando milhões em lobby", em referência à campanha da empresa de Mountain View contra o Sopa. O projeto de lei (do inglês Stop Online Piracy Act) prevê mais poder ao governo dos EUA para retirar do ar sites que reproduzam conteúdo não autorizado pelos detentores dos direitos autorais.