Padarias tentam atingir teor de sódio do pão francês pedido pela Anvisa

Um dia depois de a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) lançar o guia com orientações de boas práticas para a fabricação do pão francês com menor teor de sal, algumas padarias em Brasília tentam seguir as recomendações, enquanto os consumidores comemoram as sugestões. Apesar de o guia não ser obrigatório, a agência espera que, em dois anos, o nível de sódio no pão francês seja reduzido em todo país.

A gerente-geral de Alimentos da Anvisa, Denise Resende, disse à Agência Brasil que o objetivo é conseguir que até 2014 todos os pães no país sejam produzidos com 10% menos sódio, sem afetar a qualidade. “Essa meta será feita de forma gradativa e sem perdas na qualidade”, disse.

Benigno de Jesus, gerente de uma das maiores padarias de Brasília, acrescentou que, em seu estabelecimento, há uma nutricionista que estuda formas de adequar a fabricação de pães às recomendações da Anvisa. O sódio é o principal elemento do sal e corresponde a 40% da composição do alimento. Em 5 gramas de sal recomendados há 2 gramas de sódio.

“Já estamos com a nutricionista estudando a melhor forma para nos adequarmos às novas normas. Utilizamos atualmente 400 gramas de sal para 20 quilos de farinha. Isso significa 0,008 grama de sal para cada pão. Mas se for para melhorar a saúde dos nosso clientes, faremos o possível para diminuir a quantidade sem perder a qualidade dos pães”, disse Benigno de Jesus.

De acordo com dados da Anvisa, a população brasileira costuma consumir 12 gramas de sal por dia. Um pão tem quase um grama. O recomentado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) é apenas 5 gramas de sal por dia – o equivalente a menos de cinco pães.

Segundo a OMS, se fosse ingerida a quantidade recomendada, os casos de hipertensão e mortes por infarto cairiam em 10% no Brasil, enquanto as ocorrências de acidente vascular cerebral (AVC) seriam reduzidas em 15%.

Para o estudante Vinicios Estrela, de 23 anos, as orientações do guia são positivas, mas ele sugere que o mesmo seja feito em relação aos alimentos industrializados. “Acho válida [a recomendação da] redução da quantidade de sal, não só no pão francês como em todos os alimentos, principalmente em produtos industrializados. Espero que essa medida tenha uma fiscalização efetiva para que possa melhorar a saúde de muitos brasileiros”, opinou.

O gerente de projeto Onias de Catro, de 43 anos, elogiou a iniciativa da Anvisa e disse que será beneficiado se a medida for seguida à risca, como sugere o guia, pois é hipertenso. “Sou hipertenso e concordo com a iniciativa da Anvisa. Medidas como essa devem ser tomadas sempre visando à melhoria da qualidade de vida da população. Como pão francês todos os dias e não vou deixar esse hábito. Se as padarias realmente adotarem essas orientações, com a redução de 10%, vou ficar mais tranquilo”, completou.