ONU quer 50% da população com acesso a banda larga até 2015

A ONU pediu, na terça-feira, que governos e instituições privadas trabalhem para que metade da população mundial tenha acesso à internet via banda larga, até 2015. O comunicado divulgado pela União Internacional de Telecomunicações (UIT) enumera "os desafios da banda larga", que incluem também acesso à internet rápida em pelo menos 40% dos lares.

A expansão da internet é um apelo a países desenvolvidos e em desenvolvimento. A Comissão de Banda Larga para o Desenvolvimento - criada pela Unesco e pela ITU em 2010 - afirma que no documento que "uma pesquisa recente apontou que a infraestrutura de banda larga e de serviços contribuem para o crescimento econômico e promovem a criação de postos de trabalho", o que justificaria o pedido. Além de oferecer a conexão, o órgão sugere que "se estimule a produção de conteúdo nas línguas locais", o que inclui "desenvolvimento de serviços e aplicações".

Mas a sugestão da ONU não parece tão fácil de ser atingida no Brasil. Um relatório também da ONU, divulgado na última semana, apontou a banda larga no País como a mais cara do mundo. O custo brasileiro de US$ 51 por mbps para banda larga móvel é mais de dez vezes superior ao valor de US$ 2 no Vietnam e de US$ 7 no Marrocos, por exemplo. Pela conexão rápida fixa, o brasileiro paga em média US$ 61, enquanto os marroquinos pagam US$ 12 e os vietnamitas, US$ 6.