Estudo faz alerta sobre medicamento antigripe para crianças

REUTERS

LONDRES - As crianças não devem consumir rotineiramente medicamentos contra a gripe, como o Tamiflu, por não haver provas de que isso evita complicações e porque os efeitos colaterais podem superar os benefícios, disseram pesquisadores britânicos nesta segunda-feira. - Embora a mortalidade na atual pandemia continue baixa, uma estratégia mais conservadora pode ser considerada prudente, diante dos dados limitados, dos efeitos colaterais, como os vômitos, e do potencial para o desenvolvimento de cepas resistentes da 'influenza' - afirmaram.

Governos de todo o mundo criaram estoques dos medicamentos Tamiflu, da Roche, e Relenza, da GlaxoSmithKline, para combater a atual pandemia do vírus da gripe suína.

Na Grã-Bretanha, centenas de milhares de doses do Tamiflu foram entregues a pessoas doentes, sendo metade delas crianças. Mas Matthew Thompson, da Universidad de Oxford, e colegas seus, escreveram na revista British Medical Journal que, embora os antivirais tenham abreviado em cerca de um dia a duração da gripe nas crianças, eles não reduziram acessos de asma ou a probabilidade de as crianças precisarem de antibióticos.

O Tamiflu também foi associado a uma maior incidência de vômitos, o que pode ser sério em crianças. A análise se baseou na revisão sistemática de sete estudos clínicos anteriores a respeito do uso do Tamiflu e do Relenza contra surtos de gripe sazonal, em crianças de 1 a 12 anos.

Thompson disse a jornalistas que não há por que achar que as conclusões não se aplicariam à atual pandemia da gripe, que é relativamente branda.