Relatório aponta evolução brasileira em C&TI

JB Online

LONDRES - O cenário para a inovação no Brasil está mudando rapidamente. Orçamentos são cada vez maiores e pesquisadores brasileiros estão na vanguarda da evolução de biocombustíveis e também em outras áreas.

Hoje, o Brasil ocupa a 15ª colocação entre os países que mais publicam artigos científicos. Segundo previsão de especialistas, em menos de uma década deve alcançar o 8º lugar.

Mas, no Reino Unido e no restante da Europa, a capacidade de inovação no Brasil é menos conhecida do que a dos demais países que integram o chamado "Bric", que conta também com China, Índia e Rússia.

Então, quais são as reais perspectivas para a ciência, tecnologia e inovação no Brasil nos próximos dez anos?

Para responder essas e outras questões, a organização inglesa Demos acaba de concluir o documento Brasil: A economia de conhecimento natural.

O relatório, fruto de um trabalho de seis meses, é composto de entrevistas com líderes brasileiros, inovadores, cientistas e políticos e foi desenvolvido em parceira com o Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE/MCT).

O documento será lançado na terça-feira, em Londres, Inglaterra. Na oportunidade o professor Luiz Augusto Horta Nogueira, convidado especial do CGEE, fala sobre Bioenergia no Brasil.

Também participam do evento o embaixador do Brasil, Carlos Augusto Santos Neves, e o chefe-executivo do UK Trade and Investiment, Andrew Cahn.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais