Missão lunar da China retorna à Terra com as primeiras amostras da Lua em 44 anos

A Sonda Chang'e-5 foi lançada em 24 de novembro. A missão chinesa foi bem sucedida ao coletar material lunar para ajudar os cientistas a aprender mais sobre as origens da Lua

Foto: AP Photo / Agência de notícias Xinhua
Credit...Foto: AP Photo / Agência de notícias Xinhua

A missão lunar Chang'e-5 retornou à Terra nessa quinta (16) e trouxe consigo as primeiras amostras da Lua em 44 anos, tornando a China o terceiro país a ter alcançado o feito.

A sonda chinesa concluiu sua missão espacial de 23 dias e pousou em Siziwang Banner, na região da Mongólia, segundo informações do South China Morning Post.

Esta foi quinta missão do programa de exploração lunar chinês. A Chang'e-5 foi lançada em 24 de novembro, pousou na Lua uma semana depois, e começou a jornada de volta para a Terra há cerca de duas semanas.

Macaque in the trees
Bandeira da China é vista a partir da espaçonave Chang'e-5 na Lua, em 4 de dezembro de 2020 (Foto: Foto: Administração Nacional do Espaço da China)

É a primeira coleção de amostras da Lua por qualquer país desde 1976. Vale lembrar que apenas Estados Unidos e a Rússia haviam conseguido o feito.

Com uma furadeira e um braço robótico, o Chang'e-5 recuperou dois quilos de amostra da superfície, a dois metros de profundidade no solo do vulcânico do "Mons Rumker", no lado mais próximo da Lua, onde se acredita que a geologia seja muito mais jovem do que os locais previamente amostrados pelos americanos e russos.

Os cientistas esperavam que as amostras lançassem uma nova luz sobre a história e a evolução da Lua, bem como da Terra. O veículo de pouso do Chang'e-5 também pela primeira vez desdobrou uma bandeira nacional chinesa de cinco estrelas na Lua.

No programa espacial da China, as espaçonaves Chang'e-1 e 2 orbitavam a Lua. A Chang'e-3 fez o primeiro pouso suave com um rover, chamado Yutu.

Em 2019, o Chang'e-4 se tornou a primeira sonda feita pelo homem a pousar no outro lado da Lua, e tem operado até agora com seu rover Yutu 2.

Com a conclusão bem-sucedida da missão do Chang'e-5, o programa lunar chinês está confiante. A China visa pousar astronautas no corpo celeste mais próximo até 2030 e criar um espaço de pesquisa permanente no polo sul da Lua no futuro.

A ambição espacial da China vai além da Lua. O país enviou uma sonda para Marte em julho, e está se preparando para lançar uma estação espacial chinesa no próximo ano.(com agência Sputnik Brasil)



Chang'e-4 na lua em janeiro de 2019
Bandeira da China é vista a partir da espaçonave Chang'e-5 na Lua, em 4 de dezembro de 2020