No México, câmara dos deputados é esterilizada

SÃO PAULO, 28 de abril de 2009 - O plenário da Câmara dos Deputados do México teve de passar nesta terça-feira por um processo de esterilização antes que os parlamentares tivessem acesso ao local. A medida foi tomada por causa do surto de gripe suína que atinge o país.

O recinto, que tem 500 cadeiras, foi limpo por uma equipe de especialistas com um produto químico antes do início das sessões, que nesta terça-feira foram realizadas a portas fechadas. Jornalistas e funcionários tiveram acesso limitado à casa.

No Senado, os trabalhos também foram realizados em sessões restritas e sob um esquema especial de segurança sanitária.

Antes de chegar ao plenário, os senadores foram examinados por médicos. O mesmo ocorreu com todas as pessoas que estiveram no Congresso.

A exemplo do que ocorreu na Câmara, o acesso aos corredores e salas do Senado foi limitado a alguns assessores, funcionários administrativos e jornalistas.

A maior parte dos parlamentares usava máscaras cirúrgicas temendo que o vírus influenza A, chamado de H1N1, causador da gripe suína, pudesse se disseminar.

Até o momento, autoridades mexicanas investigam 152 mortes suspeitas que podem estar ligadas à doença. No mundo, a epidemia se espalha. Subiu para 64 o número de casos nos Estados Unidos e também foram registrados contágios em Israel, Canadá, Espanha, Escócia e Nova Zelândia. Na América Central, a Costa Rica reportou nesta terça-feira uma infecção confirmada.

Devido à situação emergencial, o governo mexicano suspendeu as atividades escolares no país até o dia 6 de maio. Na capital Cidade do México, locais em que há grandes concentrações de pessoas, como bares, restaurantes, teatros, cinemas, academias, clubes e salões de festas estão funcionando com restrições. Vivem na cidade cerca de 19 milhões de pessoas.

(Redação - Agência JB Online)