Joyce revisita o disco 'Passarinho urbano', gravado em 1976, em show no Teatro Rival neste sábado

A cantora e compositora Joyce Moreno resgata o disco que lançou em 1976 e revisita esse trabalho em show no Teatro Rival Petrobras, neste sábado (12), às 19h30. No espetáculo, Joyce apresenta o antológico LP “Passarinho urbano”, com sua voz e violão amadurecidos e um repertório surpreendentemente atual depois de mais de quatro décadas.

Macaque in the trees
Joyce revisita "Passarinho urbano", disco que reúne faixas de Milton Nascimento, Edu Lobo, Caetano Veloso, Zé Keti, Paulinho da Viola e Chico Buarque (Foto: Leo Aversa/Divulgação)

Gravado apenas em voz e violão, “Passarinho urbano” reúne faixas de Milton Nascimento, Edu Lobo, Caetano Veloso, Zé Keti, Capinam, Maurício Tapajós, Paulo César Pinheiro, Paulinho da Viola e Chico Buarque. A grande maioria das músicas foram censuradas pelo governo militar. Joyce assina apenas a faixa “Passarinho”, uma faixa que transforma em canção o clássico poema de Mario Quintana.

Resistência, substantivo feminino. Resistência que, para os artistas brasileiros que viveram entre os anos 1960 e 1970, era um gênero de primeira necessidade. Afinal, os anos eram de chumbo, e o chumbo era grosso. O chefe da polícia, pelo telefone, mandava a dura, numa viatura muito escura. Chame o ladrão! O pau quebrava e, ao mesmo tempo, a menina de Copacabana – a mesma que, um dia, teve aspiração de ter um violão e se tornar sambista – evoluía de bamba. E das boas.

Na flor de seus vinte e poucos anos, Joyce deixou as mágoas para trás e saiu para ganhar o mundo. Os anos 1970 começavam a forjar sua “gafieira moderna” cheia de “hard bossa”, que foi parar, veja só, na Itália. E foi lá que ela pediu passagem para gravar um novo disco, que não seria um disco qualquer. Se a barra pesava no Brasil, era o desejo – vital - de Joyce ser uma voz para seus amigos e compositores censurados, calados, sofridos.

“Passarinho urbano” nasceu dessa força, traduzindo, na urgência de suas faixas contínuas, o lamento sufocado por aquele período. Um discurso sem pausas, como numa única respiração. A percussão, por vezes em tom amargo, ecoava a fé de uma artista brasileira que não mudava de opinião: ver a sua terra cumprir seu ideal de democracia.

Quarenta e três anos depois de seu lançamento, “Passarinho urbano” ainda pulsa. Tempos estranhos estes atuais. Tem trem que atrasa, doutor que chora, e o diabo que se aproxima, querendo dizer “aha” em nosso ouvido... Se hoje a vida e a sorte parecem servidas numa bandeja de prata, precisamos todos, mais do que nunca, da arte que cutuca, que balança a bandeira colorida. Precisamos, sim, dos artistas. E Joyce Moreno quer tanto, precisa mesmo abraçar seu público neste momento particular que vivemos. É preciso dizer coisas que se acumularam. É preciso cantar. E agora vem este passarinho de longe, quem sabe da Amazônia, para cumprir sua sina urbana de cantar para alegrar a cidade.

Reviver “Passarinho urbano” em um show é, essencialmente, um processo de reconstrução. Reconstrução daquela velha ponte: a da liberdade guardiã. Ainda que haja um muro que insista em separar, a música sempre estará aí para nos salvar. Afinal de contas, como Joyce costuma dizer, “a MPB tem resposta pra tudo”. O tudo de ontem e o de hoje. E assim vamos nós, “Quintanando” aqueles que atravancam o nosso caminho. “Eles passarão, Eu passarinho...”, entoa a menina de Copacabana na última faixa de “Passarinho urbano”.

Ser artista tem sido muito bom para Joyce Moreno há mais de 50 anos. O repertório deste novo show, sem prazo de validade, explica, ensina e nos diz muita coisa. É a Joyce sempre menina, de arte substantiva e feminina, por todo lugar. Pura resistência.

Serviço: Teatro Rival Petrobras / Rua Álvaro Alvim, 33/37, Centro/Cinelândia / RJ / Data: 12 de outubro (sábado) / Horário: 19h30 / Abertura da casa: 18h / Ingressos: R$60 (inteira) R$40 (promoção para os 100 primeiros pagantes) R$30 (lista amiga) / Venda antecipada: http://bit.ly/TeatroRival_Ingressos2GIaEKp / Bilheteria: Terça a Sexta das 13h às 21h e sábados e feriados das 16h às 22h / Censura: 18 anos / Informações: (21) 2240-9796 / Capacidade: 350 pessoas / Metrô/VLT: Estação Cinelândia.

*Meia entrada: Estudante, Idosos, Professores da Rede Pública, Funcionários da Petrobras e Clientes com Cartão Petrobras.