Sundance 2021 será online com algo presencial

Brasil está presente na competitiva estrangeira e na mostra de curtas

Foto: Gustavo Pessoa
Credit...Foto: Gustavo Pessoa

O Festival de Sundance – 28 de janeiro a 03 de fevereiro – divulgou sua programação que será realizada de forma híbrida: em grande parte como um evento virtual por meio de uma plataforma online e algumas exibições presenciais em locais satélites do País.

Embora em formato diferente, terá a mesma qualidade e o talento cinematográfico que fazem do Sundance o maior evento do cinema independente mundial.

O programa inclui 72 longas-metragens, representando 29 países, com 38 cineastas estreantes. Quatorze filmes tiveram o apoio do Sundance Institute por meio dos laboratórios que realiza durante o ano.

O ator e diretor Robert Redford, criador do Sundance, disse em um comunicado oficial que “a união de todos foi um princípio animador para reinventar o evento para 2021. "O Sundance não existe sem nossa comunidade. Sob a liderança de Tabitha (Jackson) criamos uma nova visão coletiva que honra o espírito e a tradição desses revigorantes encontros anuais em Utah, enquanto abre espaço para novas possibilidades imaginativas em um novo formato online”, destacou.

Tabitha Jackson é, a partir desta edição, a nova diretora do Sundance em substituição a John Cooper que estava na direção desde 2010.

“Nosso processo foi coletivo. Ter um programa que reflita o mundo, mostre quem somos e como vivemos foi importante para nós”, complementou Jackson ressaltando que é uma resposta singular para um ano singular, tanto no design como na curadoria.

“Estamos entusiasmados com as novas dimensões de possibilidades que irá revelar. Mas em sua essência, o festival é um retrato de nossos valores mais duradouros”, afirmou.

Mais da metade da programação inclui cineastas estreantes que, em última análise, varia de atores consagrados como Rebecca Hall e Jerrod Carmichael a novatos como Lyle Mitchell Corbine Jr.
Embora se concentre em estreantes, a grade apresenta muitos nomes familiares como Edgar Wright, Lucy Walker, Robin Wright, Betsy West, Julie Cohen e Kevin Macdonald.

Sessenta e seis dos filmes anunciados serão estreias mundiais, o que representa 92% do programa.
O festival também apostou na diversidade: 35% foram dirigidos por um ou mais artistas negros e 15% por uma ou mais pessoas que se identificam como LGBTQ+.

Os filmes foram selecionados entre 14.092 inscrições incluindo 3.500 longas-metragens.

Brasil

A representação brasileira marca presença

– na Cinema Mundial, mostra competitiva para filmes estrangeiros com “The Pink Cloud”, de Iuli Gerbase. O filme é sobre uma nuvem misteriosa e mortal que aparece em todo o globo, obrigando a que todos permaneçam em casa. Estranhos no início, Giovana e Yago tentam se inventar como um casal à medida que os anos passam. Enquanto Yago vive sua própria utopia, Giovana se sente presa também interiormente. O filme, que terá estreia mundial no festival, traz no elenco Renata de Lélis e Eduardo Mendonça.

– na mostra competitiva de curta metragem com “Inabitável”, de Matheus Farias & Enock Carvalho. ”Inabitável” já foi exibido em 18 festivais incluindo Gramado, onde conquistou o prêmio de melhor filme pelo júri da crítica.

Confira a programação completa divulgada pelo festival

Competição americana de Dramas
Com 10 longas-metragens, a mostra inclui estreantes e novas vozes do cinema independente.

CODA / EUA, de Siân Heder – DAY ONE
I Was a Simple Man, de Christopher Makoto Yogi (EUA)
Jockey, de Clint Bentley (EUA)
John and the Hole, de Pascual Sisto (EUA)
Mayday, de Karen Cinorre (EUA)
On the Count of Three, de Jerrod Carmichael (EUA)
Passing, de Rebecca Hall (EUA)
Superior, de Erin Vassilopoulos (EUA)
Together Together, de Nikole Beckwith (EUA)
Wild Indian, de Lyle Mitchell Corbine Jr. (EUA)

Competição americana de Documentários
Dez títulos trazem ideias, pessoas e eventos do mundo atual
Ailey, de Jamila Wignot (EUA)
All Light, Everywhere, de Theo Anthony (EUA)
At the Ready, de Maisie Crow (EUA)
Cusp, de Parker Hill e Isabel Bethencourt (EUA)
Homeroom, de Peter Nicks (EUA)
Rebel Hearts,, de Pedro Kos (EUA)
Rita Moreno: Just a Girl Who Decided to Go For It, de Mariem Pérez Riera (EUA)
Summer of Soul (Or, When The Revolution Could Not be Televised), de Ahmir “Questlove” Thompson (EUA) DAY ONE
Try Harder, de Debbie Lum (EUA)
Users, de Natalia Almada (EUA/México)

Cinema Mundial – mostra competitiva dramática
Dez filmes emergem de talentos ao redor do mundo oferecendo estilos inventivos e perspectivas inovadoras.

The Dog Who Wouldn’t Be Quiet, de Ana Katz – Argentina
El Planeta, de Amalia Ulman (EUA/Espanha)
Fire in the Mountains, de Ajitpal Singh (India)
Hive,, de Blerta Basholli (Kosovo, Suiça, Macedônia, Albânia)
Human Factors, de Susanne Mann, Paul Zischler e Martin Rehbock (Alemanha, Itália, Dinamarca)
Luzzu, de Alex Camilleri (Malta)
One for the Road, de Baz Poonpiriya (China, Hong Kong, Tailândia) DAY ONE
The Pink Cloud, de Iuli Gerbase (Brasil), Produtor: Patricia Barbieri
Pleasure, de Ninja Thyberg (Suécia, Holanda, França)
Prime Time, de Jakub Piatek (Polônia)

Documentário Mundial – mostra competitiva de documentários
Dez documentários de cineastas ao redor do mundo trazem a realidade atual para as telas.
Faya Dayi, de Jessica Beshir (Etiópia)
Flee, de Jonas Poher Rasmussen (Dinamarca, França, Suécia, Noruega) DAY ONE
Inconvenient Indian, de Michelle Latimer (Canadá)
Misha and the Wolves, de Sam Hobkinson (UK, Bélgica)
The Most Beautiful Boy in the World (Suécia)
Playing With Sharks, de Sally Aitken (Austrália)
Sabaya, de Hogir Hirori (Suécia)
President, de Camilla Nielsson (EUA, Noruega)
Writing With Fire, de Rintu Thomas e Sushmit Ghosh (India)

NEXT
Trabalhos ousados – distinguidos por abordagem inovadora e com visão de futuro para contar histórias – são a tônica deste programa
The Blazing World, de Carlson Young, Pierce Brown (EUA)
Cryptozoo, de Kyle Martin, Jane Samborski, Bill Way, Tyler Davidson (EUA)
First Date, de Manuel Crosby, Darren Knapp (EUA)
Ma Belle, My Beauty, de Marion Hill (EUA)
R#J, de Carey Williams (EUA)
Searchers, de Pacho Velez (EUA)
Son of Monarchs, de Alexis Gambis (México)

Prêmio Alfred P. Sloan

Strawberry Mansion, de Albert Birney, Kentucker (EUA)
We’re All Going to the World Fair, de Jane Schoenbrun (EUA)

Première
A mostra de títulos de ficções e documentários antecipam o que está por vir.
Amy Tan: Unintended Memoir, de James Redford (EUA)
Bring Your Own Brigade, de Lucy Walker (EUA)
Eight for Silver, de Sean Ellis (EUA)
How it Ends, de Daryl Wein, Zoe Lister-Jones (EUA)
In the Earth, de Ben Wheatley (UK)
In the Same Breath, de Nanfu Wang, Jialing Zhang, Julie Goldman, Christopher Clements, Carolyn Hepburn (EUA) DAY ONE
Land, de Robin Wright (EUA)
Marvelous and The Black Hole, de Kate Tsang (EUA)
Mass, de Fran Kranz (EUA)
My Name is Pauli Murray, de Betsy West, Julie Cohen (EUA)
Philly D.A., de Ted Passon, Yoni Brook, Nicole Salazar (EUA)
Prisoners of the Ghostland, de Sion Sono (EUA)
The Sparks Brothers, de Edigar Wright (UK)
Street Gang: How We Got to Sesame Street, de Marilyn Agrelo (EUA)

Midnight
Do horror à comédia, os filmes dignificam o gênero e fazem os espectadores ficarem acordados, mesmo em horas tardias.

Censor, de Prano Bailey-Bond (UK) DAY ONE
Coming Home in the Dark, de James Ashcroft (Nova Zelândia)
A Glich in the Matrix, de Rodney Ascher (EUA)
Knocking, de Frida Kempff (Suécia)
Mothers Schmuckers, de Lenny Guit, Harpo Guit (Bélgica)
Violation, de Madeleine Sims-Fewer, Dusty Mancinelli (Canadá)

Spotlight
O programa é um tributo ao “cinema que nós amamos”

Night of the Kinks, de Philippe Lacôte (França, Canadá, Senegal)
The World to Come, de Mona Fastvold (EUA)

Special Screenings
Life in a Day 2020, de Kevin Macdonald (UK, EUA)

New Frontier
Mostra de filmes inovadores em arte e tecnologia
4 Feet High VR, de María Belén Poncio, Rosario Perazolo Masjoan, Damian Turkieh, Ezequiel Lenardón (Argentina / França)
7 Sounds, de Sam Green (EUA)
Beyond the Breadown, de Tony Patrick, Lauren Lee McCarthy, Grace Lee (EUA)
The Changing Same: Episode 1, de Michèle Stephenson, Joe Brewster, Yasmin Elayat (EUA)
Fortune, de Brett Gaylor, Nicolas Bourniquel, Arnaud Colinart (França, Canadá)
Namoo, de Erick Oh (EUA)
Nights, de Weronika Lewandowska, Sandra Frydrysiak (Polônia)
Prison X – Chapter 1: The Devil and The Sun, de Violeta Ayala, Alap Parikh, Maria Corvera Vargas, Roly Elias (Austrália, Bolivia, India)
Rich Kids: A History of Shopping Malls in Tehran, de Java ad Alipoor Kirsty Housley (UK)
Secret Garden, de Stephanie Kinkins (EUA)
Tinker, de Lou Ward (EUA)
To Miss the Ending, de Anna West, David Callanan (UK)
Traveling the Interstitium with Octavia Butler, de Sophia Nahli Allison, Idris Brewster, Stephanie Dinkins, Ari Melenciano, Terence Nance (EUA)
Weirdo Night, de Jibz Cameron, Mariah Garnett (EUA)