Jornal do Brasil

CadernoB - Cinema

Ricardo Darín organiza vingança contra ricaço em 'A Odisseia dos Tontos'

Jornal do Brasil I

O diretor Sebastián Borensztein diz que jamais imaginou que a Argentina fosse estar à beira de um novo colapso econômico quando, há três anos, comprou os direitos de adaptação de um livro sobre a crise de 2001, uma das mais graves da história do país.

Então, a população teve suas contas bancárias congeladas, com saques limitados a alguns pesos por semana, naquilo que ficou conhecido como "corralito" --ou cercadinho.

Foi o que aconteceu, porém, quando "A Odisseia dos Tontos", que chega aos cinemas depois de passar pela Mostra de São Paulo, estreou na Argentina, em agosto.

Duas semanas depois do lançamento, o governo de Mauricio Macri pediu mais tempo ao Fundo Monetário Internacional para pagar a dívida do país com o órgão. E, diz Borensztein, não foram poucos os que correram aos bancos temendo um novo "corralito".

Pelo visto, a solução dos nossos vizinhos foi rir da própria desgraça. "A Odisseia dos Tontos" fez cerca de 1,7 milhão de espectadores, segundo o portal Ultra Cine, e se tornou o filme nacional mais visto da Argentina neste ano, um feito que Borensztein espera repetir ao redor do mundo.

"Achávamos que esse era um filme de argentinos para argentinos", afirma o diretor, que retomou a parceria com Ricardo Darín, iniciada em "Um Conto Chinês". "Mas quando viajamos para os festivais, nos demos conta de que 2001 só foi muito original até 2008. Depois, no mundo inteiro, bancos ruíram, poupanças foram perdidas."

De fato, apesar da especificidade do contexto, a narrativa é facilmente identificável. Por aqui, muitos lembrarão do confisco da poupança do governo Collor em 1990.

Na trama, um casal de empresários de uma cidadezinha rural decide comprar um armazém de grãos e fundar uma cooperativa. Convencem amigos a investir no negócio e conseguem juntar uma quantia razoável até que, um dia antes, o protagonista Fermín Perlassi --Darín, que contracena pela primeira vez com o filho, Chino-- é induzido pelo gerente do banco a trocar os suados dólares por pesos e depositá-los numa conta bancária.

A oportunidade do grupo se vingar surge depois de uma série de tragédias, quando os tapeados descobrem que um homem, ciente da crise vindoura e em conluio com o bancário, tinha sacado os dólares da agência horas antes do anúncio do "corralito". E construiu um cofre subterrâneo para enterrá-los.

É então que a comédia dramática se torna um "Onze Homens e um Segredo" latino, e o planejamento do crime perfeito se soma ao sarcasmo argentino e à vingança de oprimidos contra opressores --muito da força do filme remete, aliás, a "Relatos Selvagens", outro sucesso do país vizinho.

Além de viver o papel-título, Darín também é um dos produtores. Apesar do nome dado à versão cinematográfica da obra, ele diz não considerar os protagonistas tontos --ou melhor, idiotas, tradução mais fiel ao original "giles".

"Pessoas trabalhadoras, honestas jamais serão perdedoras, embora o sistema seja muito perverso para elas." É aí que ele diz residir o diferencial da obra. "É muito difícil encontrar um lugar no mundo em que a população não tenha se sentido pisoteada pelo sistema. Mesmo que essa história seja de ficção, sentir que alguma vez os que sempre perdem ganham é um alívio."

Já Borensztein e o produtor, Federico Posternak, se dizem tontos com muito orgulho. "Se você não é um idiota, você é um filho da puta", brinca Posternak. "E é preciso escolher de que lado se está." (Carla Balbi / FolhaPress SNG)