Publicidade

Vendedores de livros em Paris sofrem com falta de turistas

Sacudindo as chaves em uma longa corrente, o livreiro parisiense Jérôme Callais abre seus caixotes de madeira verdes montados em uma pare...

Reuters/Charles Platiau
Credit...Reuters/Charles Platiau

Sacudindo as chaves em uma longa corrente, o livreiro parisiense Jérôme Callais abre seus caixotes de madeira verdes montados em uma parede com vista para o Sena, resignado a mais um dia fraco de comércio na ausência das multidões de turistas.

Callais é um dos mais de 200 “bouquinistes” que vendem livros e gravuras de segunda mão ao longo de um trecho de três quilômetros na margem do rio --uma tradição que remonta a séculos e agora está sob ameaça devido ao coronavírus.

Embora o trabalho nunca tenha sido lucrativo, Callais, que está fazendo campanha para adicionar os bouquinistes à lista do patrimônio mundial da Unesco, disse que a falta de pessoas de fora da cidade ao longo da via entre a catedral de Notre Dame ao museu do Louvre o colocou em dificuldades para vender qualquer coisa.

“Vendi um livro por 16 euros hoje, tenho outro cliente que vai me pagar o que deve mais tarde, e esse é um ótimo dia para mim”, afirmou ele.

Antes da pandemia, Callais disse que um terço de seus clientes eram turistas estrangeiros e outro terço de outro lugar na França: “Somos totalmente dependentes do turismo.”

Mesmo depois que o isolamento na França foi suspenso, em maio, muitos bouquinistas concluíram que a reabertura era inútil, acrescentou ele.

Em agosto, o governo informou que a pandemia custou à França até 40 bilhões de euros em receitas perdidas de turismo.(com agência Reuters)