Parceria de Valtinho Botafogo é bicampeã na Portela

Leo Cordeiro
Credit...Leo Cordeiro

A parceria liderada por Valtinho Botafogo faturou o bicampeonato na disputa da Portela para o Carnaval 2020, quando a escola apresentará o enredo "Guajupiá, Terra Sem Males". Após uma final de altíssimo nível, o samba campeão foi anunciado pelo intérprete Gilsinho, por volta das 6h deste sábado (12), para o delírio da multidão que ainda lotava a quadra, em Madureira.

Macaque in the trees
Ganhou o samba que a maior parte do povo presente à quadra pediu (Foto: Leo Cordeiro)

A composição vencedora leva, também, as assinaturas de Rogério Lobo, Beto Aquino, José Carlos, Zé Miranda, Pecê Ribeiro, D´Sousa e Araguaci. Pouco depois do anúncio do hino oficial, a comunidade e os segmentos comemoraram com um pequeno desfile na Rua Clara Nunes, onde fica a sede da maior campeã do carnaval.

"Todos os finalistas merecem nota dez, mas o samba campeão pegou na veia. A comunidade fez valer a vontade dela. Posso dizer que a Portela tem um grande samba para disputar o título. Parabéns a todos os compositores", exaltou o presidente Luis Carlos Magalhães.

Atual líder do ranking da Liesa, a Portela será a sétima escola a desfilar na Sapucaí, no domingo de Carnaval. O enredo vai abordar a ancestralidade indígena dos cariocas e a cultura das tribos que habitavam a cidade do Rio antes da chegada dos portugueses.

Outro momento importante do evento foi a inauguração da nova águia, símbolo da escola, que ficará no alto da fachada da quadra. A escultura tem 5 metros de altura e foi produzida no barracão da agremiação.

Confira a letra  e ouça o samba da Portela para 2020

Enredo: Guajupiá, Terra Sem Males

Autores do samba: Valtinho Botafogo, Rogério Lobo, José Carlos, Zé Miranda, Beto Aquino, Pecê Ribeiro, D´Sousa e Araguaci

Clamei aos céus

A chama da maldade apagou

E num dilúvio a Terra ele banhou

Lavando as mazelas com perdão

Fim da escuridão

Já não existe a ira de Monã

No ventre há vida, novo amanhã

Irim Magé já pode ser feliz

Transforma a dor na alegria de poder mudar o mundo

Mairamuãna tem a chave do futuro

Pra nossa tribo lutar e cantar

Auê, auê a voz da mata, okê okê arô

Se Guanabara é resistência

O índio é arco, é flecha, é essência

Ao proteger Karioka

Reúno a maloca na beira da rede

Cauim pra festejar... purificar

Borduna, tacape e ajaré

Índio pede paz, mas é de guerra

Nossa aldeia é sem partido ou facção

Não tem bispo, nem se curva a capitão

Quando a vida nos ensina

Não devemos mais errar

Com a ira de Monã

Aprendi a respeitar a natureza, o bem viver

Pro imenso azul do céu

Nunca mais escurecer (bis)

Índio é tupinambá

Índio tem alma guerreira

Hoje meu Guajupiá é Madureira

Voa águia na floresta

Salve o samba, salve ela

Índio é dono desse chão

Índio é filho da Portela



Após a escolha, todo mundo foi sambar na Rua. Já era de manhã
Ganhou o samba que a maior parte do povo presente à quadra pediu