Encontro busca difundir obras de poetas da língua portuguesa

Com o objetivo de unir escritores e amantes da poesia em diferentes países, teve início na tarde desta quinta-feira (5), no Rio de Janeiro, o 6º Encontro de Poetas da Língua Portuguesa. Até o final do mês, o evento irá passar ainda por Guiné-Bissau e Portugal e irá lançar a antologia comemorativa A Poesia na Rota dos Camões. A obra reúne a participação de 142 poetas.

"Estamos fomentando a leitura, trocando conhecimento entre os países, criando novos leitores e amantes de poesia, descobrindo novos talentos e publicando”, conta Mariza Sorriso, mentora e organizadora mundial do evento e vice-presidente da Academia Virtual dos Poetas da Língua Portuguesa. Segundo Mariza, a organização do evento já publicou os trabalhos de mais de 200 novos poetas, somadas as seis edições do encontro.

Macaque in the trees
Abertura do VI Encontro de Poetas da Língua Portuguesa, no Real Gabinete Português de Leitura. (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

Ela explica que o poeta renascentista português Luís de Camões é sempre um dos homenageados. Além dele, serão destacadas neste ano as obras de mais quatro autores. Uma delas é a poetisa maranhense Maria Firmina dos Reis. Autora de narrativas associadas às causas abolicionistas, ela é apontada também como primeira romancista do Brasil. Outro homenageado desta edição é o poeta guineense Vasco Cabral. Serão ainda lembrados o centenário de nascimento das poetisas portuguesas Sophia de Mello Breyner Andresen e Amália Rodrigues.

"A finalidade do encontro é esse intercâmbio para trazer ao público as obras de poetas que a gente não conhece. Vasco Cabral, por exemplo, é um precursor na Guiné-Bissau e pouca gente conhece. Eu mesmo não conhecia até pouco tempo. O próprio Camões não é lido. Nós lemos Os Lusíadas. Mas não são lidos os sonetos que ele produziu separadamente", pondera Mariza Sorriso.

A abertura do encontro ocorreu no Real Gabinete Português, no centro do Rio de Janeiro. Na ocasião, a escritora e pesquisadora de literatura comparada, Carmem Teresa Elias, ministrou uma palestra sobre a influência de Camões. Ela avalia que ter o autor português como referência não significa que se deve perseguir o seu estilo de escrita. Em sua visão, novos autores precisam buscar novos espaços desprezando o que já se tornou lugar-comum.

"Tem gente que acha que precisa escrever como Camões. E não precisa. Camões é um representante do Renascimento. Ninguém mais quer escrever como na época do Renascimento. Temos que encontrar o caminho do hoje, do agora e do aqui. Encontrar um novo rumo que verbalize a sensibilidade do homem moderno e expresse a identidade nacional, dando voz à linguagem e a cultura popular, também. É preciso questionar o lugar do indivíduo no mundo e na sociedade e avançar em reflexões existenciais. O gigante passou a ser o mundo artificial e tecnológico. Quem é o Admastor de hoje?", questiona ela em referência ao episódio O Gigante Adamastor, que integra a obra Os Lusíadas.

Evento itinerante

No Rio de Janeiro, o encontro prossegue nesta sexta-feira e sábado, no auditório do Museu da República. A programação inclui palestras e apresentações poéticas e musicais. Todas as atividades são gratuitas e abertas ao público. O encontro desta edição continua entre os dias 18 e 21 de setembro em Bissau, capital de Guiné-Bissau. Depois, Lisboa sediará as atividades de 26 a 28 de setembro.