POLÍTICA

Padilha diz que declaração de Lula é grito de protesto e crítica dirigida a Netanyahu

...

Por POLÍTICA JB com Agência Estado
[email protected]

Publicado em 20/02/2024 às 06:32

Alterado em 20/02/2024 às 06:36

O ministro de Relações Institucionais, Alexandre Padilha Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Matheus de Souza e Caio Spechoto - O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, afirmou nesta noite que a declaração do presidente Luiz Inácio Lula da Silva que comparou a ação de Israel na Faixa de Gaza com o Holocausto é "um grito de protesto" contra a violência que acontece na região. Em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, Padilha pontuou que as críticas de Lula não foram ao povo judeu, mas o governo do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

Para o ministro, “o grande fato diplomático” do dia é a posição dos Estados Unidos, que apresentaram nesta segunda para o Conselho de Segurança Organização das Nações Unidas (ONU) uma proposta de cessar-fogo entre Palestina e Israel, e não o "espetáculo" de Netanyahu.

“O grande fato político diplomático do dia não é o espetáculo diplomático que tentou fazer o chefe de governo atual Netanyahu”, disse o ministro. Ao comentar sobre o cessar fogo proposto pelos EUA, Padilha chamou o posicionamento de histórico e “quase inédito”.

“Até os Estados Unidos, que sempre foram um aliado histórico de Israel, que vetou a proposta de resolução apresentada pelo governo brasileiro no Conselho de Segurança [...] até os Estados Unidos reconhecem hoje que não é possível admitir a continuidade da operação militar pelo primeiro ministro Netanyahu”, disse. “Torço para a posição dos EUA acabe com obstáculos na ONU para cessar-fogo de Israel”, completou

Lula criticou no domingo, 18, durante entrevista coletiva em Adis Abeba, capital da Etiópia, a operação israelense contra o grupo terrorista Hamas na Faixa de Gaza. Lula fez um paralelo entre a morte de palestinos com o extermínio de judeus feito pelo líder da Alemanha nazista, Adolf Hitler. Durante o regime nazista, que ocorreu entre 1933 e 1945, 6 milhões de judeus foram mortos.

Em resposta à fala de Lula, Netanyahu disse, neste domingo que “comparar Israel ao Holocausto nazista e Hitler é cruzar uma linha vermelha”. “As palavras do presidente do Brasil são vergonhosas e sérias. São sobre banalizar o Holocausto e tentar ferir o povo judeu e o direito Israelense de se defender.”

Outra consequência das declarações do presidente brasileiro veio nesta segunda-feira, 19. O ministro das Relações Exteriores de Israel, Israel Katz, afirmou que Lula é considerado persona non grata em Israel enquanto não se desculpar pelas falas.

Impeachment

As falas de Lula geraram, por parte da oposição, um pedido de impeachment, processo que também foi minimizado por Padilha. “Ele não vai progredir, de tão desqualificado que ele é”, afirmou, dizendo que, para 2024, o Executivo tem a expectativa de repetir o “bom sucesso” da relação entre o governo federal e o Congresso Nacional.

LAÇOS COMERCIAIS: 'TEMOS UMA COOPERAÇÃO SÓLIDA'

O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, negou que o atrito entre o governo brasileiro e o primeiro-ministro daquele país, Benjamin Netanyahu, atrapalhe as relações comerciais entre as duas nações.

“Em nenhum momento estava na pauta qualquer rompimento de relações, pelo contrário, nós temos relações sólidas do Brasil com Israel que ultrapassam, inclusive, Netanyahu. Netanyahu é passageiro”, disse. O ministro também voltou a criticar o primeiro-ministro israelense em defesa do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “Se tem alguém isolado no mundo hoje é o Netanyahu, não o presidente Lula, se tem alguém isolado nas suas posições, nas suas práticas, é o Netanyahu, não o presidente Lula”.

Tags: