ASSINE
search button

Republicanos 'vira a casaca' após reformulação e passa a compor base governista na Câmara

Partido abriga figurões bolsonaristas como Damares Alves, Hamilton Mourão e Tarcísio de Freitas, mas atualmente só dois deputados mantêm fidelidade à orientação da oposição

Presidente do Republicanos, Marcos Pereira
Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados

Conhecido por abrigar figuras bolsonaristas de alta relevância tanto no Legislativo quanto no Executivo, como Damares Alves, Hamilton Mourão e Tarcísio de Freitas, o Partido Republicanos, também extremamente ligado à Igreja Universal do Reino de Deus, teve um aumento significativo de votações favoráveis ao governo Lula na Câmara dos Deputados.

É como diz o ditado: pagando bem, que mal tem, não é mesmo? A guinada pró-Lula vem ocorrendo, de forma natural, após a sigla ganhar espaço no governo federal: a fim de contemplar o Centrão, que cobrava mais assentos na Esplanada dos Ministérios, o então deputado federal Sílvio Costa Filho foi nomeado ministro dos Portos e Aeroportos, no dia 13 de setembro.

Após o acordo, 39 dos 41 deputados da bancada republicana passaram a votar alinhados com os interesses do governo. Essa mudança de perfil da bancada ocorre em paralelo a uma reorganização das forças na política partidária. Apenas dois de seus deputados mantêm uma fidelidade à orientação da oposição em 70% ou mais das votações: o tenente-coronel Zucco (RS) e Messias Donato (ES).

De acordo com reportagem do UOL, líderes religiosos foram substituídos nos diretórios estaduais de destaque, especialmente nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais. Além disso, o núcleo religioso do partido não desempenhou um papel nas negociações para a indicação de um ministro na gestão de Lula (PT).

Esse novo organograma partidário resultou em um alinhamento político diferente, com 67,1% dos votos dos deputados republicanos sendo favoráveis aos interesses governistas. Significa que, a cada três votos dos parlamentares da legenda, o governo recebe o apoio de dois.

O presidente do partido, Marcos Pereira (Republicanos-SP), que é bispo licenciado da Igreja Universal, é o mais alinhado com o governo, seguindo a orientação do Planalto em 73,8% das votações. Além disso, ele é considerado um dos candidatos potenciais para suceder Arthur Lira (PP-AL) na presidência da Câmara em 2025. Na terça-feira passada (17), Pereira chegou a jantar com a bancada petista a fim de costurar um apoio à eleição.

Compartilhar