BRASIL

Patrimônio Histórico: laboratório montado no Palácio da Alvorada atua na restauração de obras vandalizadas no 8 de janeiro

Vinte obras são tratadas em espaço criado numa parceria com Iphan, Universidade de Pelotas e Presidência da República, por meio da Diretoria Curatorial dos Palácios Presidenciais

Por JORNAL DO BRASIL
[email protected]

Publicado em 07/01/2024 às 11:04

Alterado em 07/01/2024 às 11:04

Especialistas em restauração atuam em laboratório no Palácio do Alvorada para recuperar obras danificadas em 8 de janeiro de 2023 Foto: Wallisson Breno / Audiovisual PR

Às vésperas de completar um ano dos ataques do dia 8 de janeiro, um laboratório passou a operar no Palácio da Alvorada especialmente para garantir a revitalização e recuperação de obras de patrimônio público depredadas pelos atos de vandalismo.

O processo de restauro das obras artísticas do acervo da Presidência se tornou possível a partir de um Acordo de Cooperação Técnica com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). O órgão produziu laudos sobre o estado de conservação dos bens danificados, em especial os seguintes bens:

  • Pintura sobre tela “as mulatas”, de Emiliano Di Cavalcanti;
  • Escultura em bronze “o flautista”, de Bruno Giorgi;
  • Escultura em madeira, de Frans Krajcberg;
  • Relógio histórico de Balthazar Martinot;
  • Pintura sobre madeira “bandeira”, de Jorge Eduardo;
  • Escultura de ferro de Amilcar de Castro;
  • Mesa imperial em madeira;
  • Marquesa em metal e palha, de Anna Maria Niemeyer;
  • Retrato de autoria não identificada;
  • Ânfora portuguesa em cerâmica esmaltada;
  • Mesa-vitrine de Sérgio Rodrigues;
  • Pintura abstrata de autoria não identificada;
  • Pintura de batalha de autoria não identificada.

Três dessas obras também receberam cuidados de profissionais das equipes da diretoria de Engenharia e Patrimônio/Secretaria-Geral e da Diretoria Curatorial dos Palácios Presidenciais: a Escultura de ferro de Amilcar de Castro, a marquesa em metal e palha de Anna Maria Niemeyer e a mesa-vitrine de Sérgio Rodrigues.

“Fizemos contato com Leandro Grass (presidente do Iphan) e ele nos ajudou com essa parceria. São 20 obras que serão restauradas no laboratório montado no subsolo da capela do Palácio da Alvorada”, destacou Rogério Carvalho, curador dos palácios presidenciais.

De acordo com Carvalho, o Iphan assumiu todos os custos e os trabalhos são realizados por uma equipe de dez restauradores da Universidade Federal de Pelotas (UFPel).

“Aqui na Presidência a gente não apagou o acontecido de imediato. E acho que, de fato, não o poderíamos fazer, porque a gente tem que refletir muito sobre o que significou aquele dia. Aquilo que encontramos dia 8 ia muito além da destruição de objetos. Ia muito de encontro a qualquer pensamento democrático”, disse Carvalho.

RELÓGIO DE BALTHASAR MARTINOT - O relógio Balthasar Martinot Boulle, do Século XVII, e a caixa de André Boulle, destruídos durante os atos de vandalismo, serão revitalizados a partir de um Acordo de Cooperação Técnica formalizado com a Embaixada da Suíça no Brasil.

Segundo nota divulgada pela embaixada, os graves acontecimentos "despertaram profunda emoção na Suíça, assim como forte solidariedade com as instituições e a democracia brasileira. A Embaixada da Suíça em Brasília apresentou à Presidência da República uma iniciativa de restauração do patrimônio, parte fundamental da identidade e da memória do país".

Um produtor suíço de relógios de longa tradição e experiência ofereceu o apoio de alguns dos maiores especialistas e artesãos para a restauração. Numa primeira avaliação, levando em conta os graves danos sofridos e as características e complexidade do relógio, identificou-se que será necessário o engajamento de vários especialistas.

REPAROS ESTRUTURAIS - A gestão presidencial tem estabelecido contratos de manutenção predial, envolvendo tanto correções quanto prevenções em caráter contínuo. Nesse contexto, a grande maioria das intervenções de engenharia necessárias para remediar os danos causados pelos eventos de 8 de janeiro foi iniciada por meio de ordens de serviço específicas, conforme abaixo:

Reparos na parte elétrica: R$ 8.781,20

Vidraçaria: R$ 204.449,26

Divisórias especiais (portas e divisórias): R$ 15.000

Pintura: R$ 13.000

Bancadas e tampos de mármore: R$ 7.000

Peças sanitárias: R$ 3.000

Gradil: R$ 7.500

Elevador danificado: R$ 39.000

Total: R$ 297.730,46

(com Ascom da Presidência)

Tags: