Jornal do Brasil

Bem Viver - Moda

Tendências de moda e beleza para os anos 2020

Jornal do Brasil IESA RODRIGUES, cadernob@jb.com.br

Quais são as tendências de estilo para a próxima década? Engana-se quem espera informações sobre comprimentos, tecidos ou conceitos ecológicos. Tudo isto já está em andamento, um exemplo é a Natura, marca brasileira de cosméticos que há mais de dez anos inclui produtos naturais em suas fórmulas. Ou a Osklen, que desenvolve a e-Brigade, linha de tecidos e acessórios que vão desde algodões reciclados até couros de peixes.

Os estudos revelam outras tendências, muitos mais amplas, que devem afetar o modo de produzir, vender e até usar a moda.

Loja física x e-commerce

Espanta saber que atualmente existem 90 mil lojas virtuais no Brasil. Segundo Renato Zadrozny, do Posthaus, e-commerce de moda com 1,5 milhão de pedidos faturados por ano, aumentou o número de acessos pelos celulares, em lugar dos notebooks e desktops. Sua previsão, de acordo com depoimento ao Presse Comunicação, tem dois pontos importantes:

"”Haverá avaliação detalhada, com clientes enviando fotos e videos para facilitar as escolhas. E em breve, vamos seguir o exemplo da Amazon, que disponibiliza locais de entrega das compras em lockers, no conceito de comprar online e receber em espaço físico" No Brasil, lojas como a Renner já oferecem esta possibilidade, que tem a vantagem de permitir conferir se a roupa agrada ao vivo, se cabe no corpo.

As métricas vão impactar influenciadores e marcas. Todos em busca de engajamento, likes e compartilhamentos. A dúvida: isto vende?

A beleza corre na frente

A indústria da beleza, muito mais poderosa do que a da moda de vestir, já avança pelo menos nos conceitos, procurando adequar as propostas. O Digital Beauty Forum, que se realizará no dia 12 de fevereiro, em Nova York, vai incluir temas como " entrar na cabeça da geração Z"

Outra intenção seria lançar produtos cada vez mais "limpos ". Por enquanto, seriam fórmulas sem parabenos, sulfatos e silicones. Há estudos sobre produtos à base de água.

Sem dono

A era digital facilita o compartilhamento de serviços como o Uber ou o Spotify. A moda adere aos poucos, com opções que ameaçam os brechós e bazares. O site BoBag, no Brasil, aluga acessórios de marcas famosas, em geral com preços inalcançáveis, como Chanel, Dior, Prada. Nos Estados Unidos, país de alto consumo, a ideia já está pegando, como uma espécie de leasing.

Profissionais mais versáteis

Enquanto a validade das semanas de moda tradicionais, com os desfiles e convites escassos, crescem os eventos múltiplos. Na Califórnia, fazem sucesso os encontros que vendem moda, oferecem experiências gastronômicas, degustação de vinhos, massagens, como comprova Patty Lago, direto de Los Angeles.

"E as mulheres da Califórnia gostam de se arrumar, de roupas bonitas, não apenas para grandes ocasiões".

Esta versatilidade vale também para os diretores de criação das grandes marcas. O melhor exemplo desta linha é o americano Virgil Abloh, oriundo de Chicago, sem diploma de escola de moda ou design. Em compensação foi DJ e trabalhou com Kanye West, até cansar de literalmente voar todos os dias e dar um tempo em casa. "Foi o tempo exato, para não perder a oportunidade de assumir na criação da Louis Vuitton e manter a Off White. Muitos estilistas decidem tirar um tempo sabático, e quando voltam ao circuito, está tudo diferente. Eles perdem a janela".

Virgil decidiu encarar a moda como profissão quando começou a notar que nas plateias dos desfiles havia gente vestindo hoodies (moletons com capuz) e calcando tênis, e as coleções não mostravam nada parecido. " Crio, pensando no menino de 17 anos, lá do Kansas, que parece comigo. Meu conselho é que se surge uma ideia, execute logo. Noto que minha geração não costuma fazer isto"

Enfim, algo tradicional

Guiada por uma empresa poderosa, a Pantone, ainda resiste a tendência da cor da temporada. Depois do Marsala, dos rosas e azuis, do Living Coral, o investimento deste ano é no Classic Blue, o velho azul marinho, um pouco mais claro. Se na moda de vestir pode haver resistência, justamente por ser um clássico, na decoração e design promete emplacar tanto em objetos como em revestimentos e móveis. O catálogo do site Westwing comeca a sugerir poltronas de veludo, aparadores e jarros no Classic Blue

Mas apesar dos estudos, palestras e pesquisas, segundo Lindsay McCormick, do site Bite, ainda há quem ache que o plástico é aceitável, desde que seja descartado nos recipientes de reciclagem apropriados.

Macaque in the trees
Virgil Abloh, designer da Louis Vuitton e Off-White (Foto: Myles Kalus Anak Jihem / Wikimedia)

Macaque in the trees
A cor Classic Blue, anunciada pela Pantone, agrada no setor de design (Foto: Reprodução Westwing)

Macaque in the trees
O e-commerce ganha força, com entrega em espaços físicos (Foto: Business of Fashion / reprodução)

Macaque in the trees
Bolsas de marca como Chanel podem ser alugadas (Foto: Divulgação)

Macaque in the trees
Produtos de beleza mais limpos, sem parabenos e outros elementos (Foto: Business of Fashion / reprodução)