Jornal do Brasil

Bem Viver

Estudo eleva óleo de coco ao patamar de nutracêutico capaz de modular a imunidade

Óleo de coco e imunidade: o que realmente sabemos sobre isso até agora?

Jornal do Brasil MONICA CORONEL, redacao@jb.com.br

A ação antimicrobiana do óleo de coco foi publicada em artigo científico no Journal of The Association of Physicians of India neste mês de julho. De acordo com essa publicação, estudos in vitro, em humanos e também em animais demonstraram o uso do óleo de coco como potencial agente imunonutritivo, capaz de modular a imunidade de forma natural, elevando-o ao patamar de nutracêutico, a partir da sua ingestão.

Os pesquisadores relataram que a resposta imune, que depende de fatores macro, tais como idade, genética, sexo, suscetibilidade a infecções, dentre outros; estilo de vida - composição da dieta, status de mobilidade, poluição ambiental, estresse crônico, irão impactar na resposta imune, e que esta pode ser modulada para permitir melhores resultados do organismo à ação de vírus, bactérias e reações inflamatórias, e que o óleo de coco, por sua composição, é capaz de contribuir para esse resultado.

Os estudos indicam que as dietas com fins imunomoduladores foram promissoras em função de não apresentarem efeitos colaterais e potencial para criar resistência em caso de ação antimicrobiana. Constataram que os suplementos de modulação imunológica fornecem micronutrientes que permitem a melhoria dos biomarcadores inflamatórios como também a disponibilidade de antígenos. A notícia sobre o potencial uso do óleo de coco como modulador da imunologia é reconhecida pela medicina ayurvédica como alternativa para melhorar a saúde dos indianos, e também foi publicada no jornal inglês Deccan Herald, no estado indiano de Karnataka.