SAÚDE

Médico alerta sobre perigos de cirurgias plásticas feitas por quem não é especialista

Dr. Bora Kosti explica o grande número de erros em procedimentos estéticos realizados por profissionais não habilitados

Por SAÚDE JB
[email protected]

Publicado em 24/02/2024 às 07:31

Alterado em 24/02/2024 às 07:33

O cirurgião plástico Bora Kosti é sérvio e revalidou o diploma na Universidade Federal de Santa Catarina Foto: divulgação

Especialistas da área médica estão emitindo um alerta sobre os perigos associados aos procedimentos cirúrgicos realizados por profissionais não habilitados, como dentistas e biomédicos, especialmente em cirurgias plásticas mais complexas, como rinoplastias e outros procedimentos estéticos. Médicos sem especialidades também levantam preocupações. O Cremesp (Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo) analisou processos de 289 médicos, e entre os profissionais, 48,1% não tinham qualquer título de especialidade médica. Já 49,5% possuíam título em especialidades não relacionadas à cirurgia plástica ou procedimentos estéticos. Dentre os médicos processados, apenas 2,1% eram cirurgiões plásticos, e 0,3% dermatologistas que executam procedimentos estéticos.

De acordo com o cirurgião plástico Dr. Bora Kosti, a crescente demanda por cirurgias plásticas e procedimentos estéticos tem levado alguns profissionais a expandir sua prática para áreas nas quais não têm o treinamento ou a experiência adequados. Isso inclui dentistas realizando rinoplastias, biomédicos realizando lipoaspirações e outros procedimentos cirúrgicos. “Esses procedimentos exigem habilidades específicas e um conhecimento profundo da anatomia e fisiologia do corpo humano. A falta de treinamento adequado e experiência nessas áreas pode resultar em complicações graves e até mesmo colocar a vida dos pacientes em risco”, afirma o especialista.

Complicações comuns associadas à realização de procedimentos cirúrgicos por profissionais não habilitados incluem infecções, assimetrias faciais, necrose tecidual e até mesmo danos permanentes aos órgãos. Além disso, os pacientes podem enfrentar consequências psicológicas e emocionais significativas devido a resultados insatisfatórios ou deformidades resultantes de cirurgias mal executadas.

Dr. Bora enfatiza a importância de os pacientes realizarem uma pesquisa cuidadosa antes de se submeterem a qualquer procedimento cirúrgico. “É necessário verificar as credenciais e a experiência do cirurgião, garantindo que esteja devidamente certificado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) ou por outras organizações reconhecidas”, acrescenta o especialista.

Além disso, os pacientes devem estar cientes dos riscos envolvidos em procedimentos cirúrgicos e serem capazes de reconhecer os sinais de um profissional não qualificado. Se houver alguma dúvida sobre a competência do cirurgião ou a segurança do procedimento, os pacientes são encorajados a buscar uma segunda opinião ou a consultar um cirurgião plástico certificado.

Para o profissional, é fundamental que as autoridades reguladoras e as organizações profissionais adotem medidas para reforçar a regulamentação e fiscalização desses procedimentos, visando proteger a segurança e o bem-estar dos pacientes.

Sobre Dr. Bora Kosti

Dr. Velibor Kosti, conhecido como Bora Kosti, é formado em Medicina na Universidade Federal de Belgrado, na Sérvia, chegando a servir na guerra de 1999. Especializou-se em Cirurgia Geral e Cirurgia Plástica no Hospital Geral de Bonsucesso. Neste meio tempo, fez estágio no Departamento de Cirurgia Plástica, Reconstrutiva e Microcirurgia do Instituto Nacional do Câncer (INCA), no Rio de Janeiro. Revalidou o diploma de Medicina na Universidade Federal de Santa Catarina. Bora é membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e membro ativo da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica e da Sociedade Americana de Cirurgia Estética.

Tags: