Publicidade

Saúde

Vacina de Oxford induz resposta imunológica também em idosos

Estudo com 560 voluntários avaliou fase 2 dos testes

Dave Mustaine/Epa
Credit...Dave Mustaine/Epa

A vacina contra o coronavírus Sars-CoV-2 criada pela Universidade de Oxford e pelo laboratório AstraZeneca conseguiu induzir a uma resposta imune em todas as faixas etárias da fase 2 de testes, informou nesta quinta-feira (19) um estudo publicado na revista científica "The Lancet".

A fase intermediária de testes da ChAdOx1 nCoV-19 foi realizada com 560 adultos saudáveis e que foram divididos em três grupos: 160 voluntários de 18 a 55 anos, 160 de 56 a 69 anos e 240 idosos acima de 70 anos.

Dentro dessas três divisões, as pessoas foram ainda divididas em outros subgrupos que receberam dosagens diferentes da vacina: um recebeu uma dosagem baixa, outro a padrão e um grupo recebeu placebo. Na faixa entre os participantes acima dos 55 anos, ainda houve mais uma divisão: parte deles recebeu uma dose da vacina e a outra recebeu duas doses com uma distância de 28 dias entre elas.

As reações adversas foram consideradas leves, como dor no corpo e dor no local da aplicação, fadiga, dor de cabeça e dores de cabeça. Em seis meses da aplicação da primeira dose, foram registradas 13 reações adversas graves, mas nenhuma relacionada à imunização em si. Outra boa notícia do estudo é que os efeitos colaterais foram menos frequentes nos idosos.

Conforme a publicação da "The Lancet", a resposta imunológica dos anticorpos específicos contra o vírus que provoca a Covid-19 foram produzidas 28 dias após a primeira dose em todas as faixas etárias, e com a segunda dose, eles aumentaram no 56º dia.

Andamento similar aos anticorpos neutralizantes: duas semanas após a primeira dose, 208 em 209 voluntários os desenvolveram. Esse tipo de mecanismo impede que o Sars-CoV-2 se ligue à coroa que reveste o vírus e, consequentemente, que ela se conecte às células humanas para fazer a sua infecção e reprodução.

A eficácia da ChAdOx1 nCoV-19 para prevenir a doença, no entanto, ainda está em análise, visto que a fase 3 de testes ainda está em andamento.

A vacina desenvolvida pela Oxford é considerada uma das mais promissoras no mundo por utilizar métodos já tradicionais de produção de imunizante. Ela contém um adenovírus (que não causa doença), mas que carrega o material genético do novo coronavírus para que o corpo produza uma resposta imunológica.(com agência Ansa)