O marketing digital pode ser o caminho para as próximas eleições

Com a proibição de doações de pessoas jurídicas para as campanhas eleitorais atendendo a Lei das Eleições (Lei nº 9.504/1997), usar o Marketing Digital pode ser um bom caminho para os candidatos às eleições de Outubro/2108. 

Dos 210 milhões de brasileiros, 156 milhões são usuários da Internet e 78% estão em alguma rede social. 

Das principais redes acessadas, o Facebook lidera com 130 milhões de brasileiros conectados, seguido pelo Whatsapp com 120 milhões, Youtube 98 milhões e o Instagram com 57 milhões (Social Media Trends 2018). 

Na eleição de 2008 Obama venceu seus concorrentes por sete pontos percentuais fazendo extenso uso das tecnologias sociais que, na época, incluíram fóruns de discussão, vídeos virais, redes de celulares, mensagens de texto e blogs para se comunicar com o seu eleitorado. 

Sua equipe criou uma comunidade “My.BarackObama.com” que foi usada para divulgar a sua campanha e arrecadar fundos de pequenos contribuintes:  corresponderam a US$ 639 milhões, quase o dobro do arrecadado pelo seu concorrente, McCain. 

Além disso, baseado na coleta de informações do público, Obama desenvolveu a sua campanha com o auxílio de um software de relacionamento com o eleitor. Seu segredo foi a sua capacidade de ouvir e fazer com que cada pessoa se sentisse valorizada por isso.

Pagar por links patrocinados nas redes sociais ou trabalhar com o Google Adwords não vai trazer os resultados esperados de engajamento dos eleitores. Será preciso envolvê-los criando conteúdos que Jonah Berger, professor de Marketing de Wharton School,em seu livro Contágio, chamou de Moeda Social, se referindo aos conteúdos que interessam aos leitores compartilhar com seus amigos e então divulgar o seu autor. É preciso gerar conteúdo de valor prático para o leitor e incentivar sua participação no ambiente promovendo a “Co-criação” de ações e conteúdos. Empresas como Lego, Batata Ruffles e Starbucks usaram a Co-Criação como ferramenta para engajar seus clientes e conseguiram aumentar significativamente seu lucro com as sugestões que receberam. 

O eleitor precisa ser envolvido para se sentir parte da campanha, contribuindo com a sua construção e multiplicando o efeito que o Marketing Digital oferece. Em outubro estão previstos 144,1 milhões de eleitores em outubro de 2018, grande parte com acesso à internet. 

O Marketing Digital vai permitir o uso de vídeos, redes sociais, fóruns de discussão, e-mail marketing, mensagens de texto e blogs gerando visibilidade e a interação com os eleitores. 

Os líderes precisam promover a inovação, se tornarem mais acessíveis ao seu público e desenvolverem fãs.  Como disse Tom Daschle, mentor de Barack Obama no Senado, “a melhor forma de persuadir é com os ouvidos” (“A estratégia de Barack Obama”, editora Campus,2009).

* Professora da ESPM